MPS.BR

O MPS.BR ou Melhoria de Processos do Software Brasileiro, é simultaneamente um movimento para a melhoria e um modelo de qualidade de processo voltada para a realidade do mercado de pequenas e médias empresas de desenvolvimento de software no Brasil.
No Brasil, uma das principais vantagens do modelo é seu custo reduzido de certificação em relação as normas estrangeiras, sendo ideal para micro, pequenas e médias empresas.

O modelo MPS.Br - Melhoria de Processo de Software Brasileiro é um projeto coordenado pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX) com o apoio MCT, FINEP e o BID. O MPS.Br é baseado nas normas ISO/IEC 12207 e ISO/IEC 15504. As mesmas normas norteam a estrutura do CMMI. Dessa forma pode se dizer que os dois modelos tem equivalência - ambos possuem níveis de maturidade que definem a capacidade organizacional em executar projetos grandes e complexos. O CMMI possui 5 níveis de maturidade(inicial, gerenciado, definido, gerenciado quantitativamente, Otimizado) na sua representação por estágio enquanto o MPS.Br possui uma divisão mais refinada partindo do nível G ao A. É importante observar que, contrário do CMMI, o primeiro nível do MPS.BR já exige que a empresa tenha determinados processos definidos. A escala de níveis pode ser expressa da seguinte forma:

G – Parcialmente Gerenciado
F – Gerenciado
E – Parcialmente Definido
D – Largamente Definido
C – Definido
B – Gerenciado Quantitativamente
A – Em Otimização

Os níveis do MPS.Br também são compostos por Áreas de Processos(KPAs), que são os tópicos mais importantes para um processo de desenvolvimento de software. Os níveis do MPS.Br permitem que a empresa implante processos de uma forma mais gradual. Essa idéia refletida para o mercado brasileiro de software permite que empresas de pequeno porte, que não possuem muito dinheiro para investir em metodologias e processos, possam tomar a iniciativa de definir processos.

Hoje, o MPS.Br e o CMMI em termos de qualidade de software possuem níveis equivalentes, mas com a vantagem de ser muito mais barato e existir financiamento do BID para grupos de empresas que desejam se certificar.

O modelo
O MPS.Br é dividido em 3 partes: MR-MPS, MA-MPS, MN-MPS.

MR-MPS: Modelo de referência para melhoria do processo de software
O MPS.BR apresenta 7 níveis de maturidade (o que é um diferencial em relação aos outros padrões de processo) que são:

A - Em Otimização;
B - Gerenciado quantitativamente;
C - Definido;
D - Largamente Definido;
E - Parcialmente Definido;
F - Gerenciado;
G - Parcialmente Gerenciado;
Cada nível de maturidade possui suas áreas de processo, onde são analisados os processos fundamentais (aquisição, gerência de requisitos, desenvolvimento de requisitos, solução técnica, integração do produto, instalação do produto, liberação do produto), processos organizacionais (gerência de projeto, adaptação do processo para gerência de projeto, análise de decisão e resolução, gerência de riscos, avaliação e melhoria do processo organizacional, definição do processo organizacional, desempenho do processo organizacional, gerência quantitativa do projeto, análise e resolução de causas, inovação e implantação na organização) e os processos de apoio (garantia de qualidade, gerência de configuração, validação, medição, verificação, treinamento).

Em seguida vem a Capacidade, onde são obtidos os resultados dos processos analisados, onde cada nível de maturação possui um número definido de capacidades a serem vistos.

AP 1.1 - O processo é executado;
AP 1.2 - O processo é gerenciado;
AP 2.2 - Os produtos de trabalho do processo são gerenciados;
AP 3.1 - O processo é definido;
AP 3.2 - O processo está implementado.

MA-MPS – Método de avaliação para melhoria do processo de software
Tem como objetivo orientar a realização de avaliações, em conformidade com a norma ISO/IEC 15504, em empresa e organizações que implementaram o MR-MPS. Avaliação MA-MPS:

Equipe de avaliação: 3 a 8 pessoas, sendo:
1 avaliador líder
no mínimo 1 avaliador adjunto
no mínimo 1 técnico da empresa
Duração: 2 a 4 dias;
Validade: 3 anos;
Estruturação da Avaliação:

Planejar e preparar avaliação
Plano de Avaliação / Descrição dos indicadores de processo;
Conduzir Avaliação
Resultado da avaliação;
Relatar resultados
Relatório da avaliação;
Registrar e publicar resultados
Banco de dados Softex (Ver portal MPS.BR nas 'Ligações Externas')

MN-MPS – Modelo de negócio para melhoria do processo de software
Instituições que se propõem a implantar os processos MPS.Br (Instituições Implementadoras) podem se credenciar através de um documento onde é apresentada a instituição proponente, contendo seus dados com ênfase na experiência em processos de software, estratégia de implementação do modelo, estratégia para seleção e treinamento de consultores para implementação do MR.MPS, estratégia para seleção e treinamento de avaliadores, lista de consultores de implementação treinados no modelo e aprovados em prova específica, lista de avaliadores treinados no modelo e aprovados em prova específica.

Próximos passos
O modelo MPS.Br tem como objetivo até junho de 2006 implementar o Modelo de Referência para melhoria de processo de software em 120 empresas. E como objetivos secundários, a disseminação em diversos locais do país, capacitação no uso do modelo e o credenciamento de instituições implementadoras e avaliadoras do modelo, especialmente instituições de ensino e centros tecnológicos e também a implementação e avaliação do modelo com foco em grupos de empresas. A avaliação conjunta de grupos empresariais, objetiva a redução dos custos, porém há uma perda de foco, pois não há uma especificidade para cada empresa e sim um mesmo modelo de referência para todas elas. O MPS.Br já é uma realidade, e dentro de alguns anos, existe um projeto de implantação em seis países da América Latina, são eles: Chile, Argentina, Costa Rica, Peru, Uruguai e Cuba.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016