Windows x Linux - The Ultimate Fight


Vagner Vilela (e-mail) é Analista Desenvolvedor com 15 anos de experiência em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Fluente em SQL, ferramentas Case, projetos de banco de dados, análise, projetos e manutenção de sistemas. É graduando em Matemática pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente realiza estudos em Análise e Projetos de Algoritmo, Gerência de Projetos, UML e é Analista de Sistemas da SidTech Informática.

Há alguns anos atrás dei uma palestra no CDI (Comitê para Democratização da Informática) sobre Software Livre e vi que ninguém sabia exatamente o que era isso. Mais tarde conversando com alguns desenvolvedores que eram alunos dos primeiros anos de um curso de Tecnologia, percebi que tampouco eles e seus professores sabiam o que era Software Livre também.

Muita gente polariza a briga entre Linux e Windows como se fosse simplesmente: paga-se ou não se paga por software?



A coisa não é tão simples assim. Fiquei de escrever algo sobre o assunto. Segue-se então um artigo onde coloco constatações. O que se segue abaixo não é opinião minha. São fatos. Mais tarde, se for caso (e acho que será), emito minha opinião a respeito.

Vamos lá.

Pouca gente conhece Richard Stallmann, muita gente já ouviu falar em Linux e todos conhecem Bill Gates.

Richard Stallmann é o Filósofo criador da teoria do Software Livre.

Linux é o mais famoso programa OpenSource. Bill Gates é o dono da Microsoft.

A três coisas são diferentes mas se tangenciam. Vejamos.

Software Livre

Stallman é um visionário barbudo, intelectual da pesada (Física em Harvard) e que recebeu todos os maiores prêmios de tecnologia do mundo. Um daqueles caras à frente do seu tempo. Chamado de Santo Ignúcio, em 1984 ele lançou um manifesto chamado Manifesto GNU, onde basicamente ele diz o seguinte:

  • o usuário de programa de computador tem de ter liberdade de rodar o programa para qualquer propósito (liberdade 0);
  • tem de ter liberdade para estudar, alterar e adaptar o programa de computador para a sua necessidade (liberdade 1);
  • iberdade para copiar e distribuir o programa de computador (liberdade 2);
  • liberdade para melhorar o programa de computador e distribuí-lo (liberdade 3).

Claro que para satisfazer as liberdades 1 e 3, deve-se ter acesso

ao código fonte.

O programa tem de ser livre porque para Stallman Quando um programa tem um dono, os usuários perdem a liberdade de controlar uma parte de suas próprias vidas.

O programa livre não tem de ser de graça (sem pagar). Stallman é categórico no manifesto quando fala desse assunto. Software livre não significa necessariamente software gratuito. Daqui já sai a primeira confusão. As pessoas acham que software livre é gratuito. A motivação de Stallman é social e não mercadológica essencialmente.

Resumindo: software livre é aquele que você adquire (pagando ou não) e tem o direito de alterar, melhorar, distribuir e usar do jeito que você quiser. Inclusive vendendo.

OpenSource

Já o Linux é fruto de um outra corrente chamada OpenSource. Esse pessoal começou em 1993 uma onda muito semelhante à onda do software livre. O que muda essencialmente é:

- o propósito do OpenSource é construir o melhor software possível;

- para atingir esse objetivo eles constroem comunidades de desenvolvimento onde cada desenvolvedor pode contribuir com o código fonte;

- você tem de comercializar um software OpenSource da mesma maneira que o adquiriu.

Deu para ver que a diferença é muito sutil. O software livre pode ser comercializado da forma que eu quiser, já o OpenSource exige que eu o comercialize da maneira que adquiri.

Microsoft

É a maior produtora mundial de Sistemas Operacionais (os programas que tomam conta do computador). Essa empresa pertence ao Bill Gates, figura conhecida fora do mundo de TI. A Microsoft é conhecida também por algumas práticas comerciais questionáveis como: se ela acha um concorrente fazendo um programa de computador melhor que o dela, a Microsoft compra a empresa concorrente e embute o software adquirido nas suas dezenas de soluções que já possui.

O produto mais famoso da Microsoft chama-se Windows e é um sistema operacional assim como o Linux, citado anteriormente. O Windows é vendido, copiá-lo é crime e muitas empresas são multadas por essa cópia ilegal.

Fatos

Como se diz: contra fato não há argumento. Segue alguns fatos para o leitor poder meditar. A partir de cada fato desse pode-se tirar conclusões valiosas. Não vou dar a minha opinião para não influenciar ninguém. O que se segue abaixo são constatações. Mais tarde publico um artigo eminentemente parcial, se alguém quiser saber o que penso.

1. A maioria das pessoas não tem a mínima idéia do que é um código fonte. Tampouco como alterá-lo.

2. Você já viu uma mosca branca? Pois é. É tão raro quanto alguém capaz de alterar o Linux para você. Só vi isso em grandes empresas e em algumas prefeituras.

3. Muitas empresas que dependem de programas de computador de forma vital, contratam programadores para elas. E o programa passa a ser da empresa e não do programador. E aí elas mandam alterar o programa da forma que querem.

4. Qualquer Windows é muito, muito, mas muito mais fácil de usar do que qualquer Linux.

5. O Linux é mais estável do que o Windows.

6. O Windows é mais bonito do que o Linux.

7. O Windows nasceu em uma empresa, para ser vendido. O Linux nasceu em uma universidade para ser um estudo de caso.

8. Richard Stallman, Bill Gates e Linus Torvald estão, intelectualmente falando, muito acima da média da humanidade.

9. Existe muita gente fanática por Windows.

10. Existe muita gente fanática por Linux.

11. Gente fanática é irracional.

12. Existe muito programa de prateleira. Você vai à loja, pega uma caixinha com um CD dentro, paga, chega em casa, instala e usa. Nunca mais você vai pagar nada para o fabricante.

13. Há programas alugados. Você paga um tanto por mês para ter o direito de usar e de adaptar o programa para você.

14. Há empresa que sacaneia. Cobra por mês por um programa que não tem necessidade de manutenção mensal.

15. Há programas que levam anos para ficar prontos e consomem muitos recursos em mão-de-obra, treinamento, máquinas, dinheiro e muitas outras coisas.

16. Há programas que podem ser feitos em questão de horas.

17. O custo para copiar um programa é quase zero.

Dá para pensar um pouco a respeito...

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016