Apresentações, Bibliografias, Referências, Resumos, Dicas, Mind Maps (Mapas Mentais), Simulados, Provas Comentadas, tudo que você precisa para ser aprovado em Concurso Público.

segunda-feira, 31 de março de 2008

Plural de substantivos compostos

Como uma primeira dica, MEMORIZE: se os termos que compõem um substantivo composto forem, isoladamente, substantivos, adjetivos ou numerais, todos eles vão para o plural.
Exemplos

couve-flor / couves-flores
guarda-noturno / guardas-noturnos
amor-perfeito / amores-perfeitos
primeiro-ministro / primeiros-ministros
obra-prima / obras-primas

No entanto, se os substantivos compostos tiverem como elementos de sua composição um verbo, um advérbio ou uma preposição, esses termos deverão ficar no singular.
Exemplos

guarda-chuva / guarda-chuvas
guarda-roupa / guarda-roupas
sempre-viva / sempre-vivas
contra-ataque / contra-ataques

_ No caso do substantivo composto possuir duas palavras repetidas, somente a segunda irá para o plural. Entretanto, se forem dois verbos idênticos, os dois também poderão ser pluralizados.
Exemplos

tico-tico / tico-ticos
corre-corre / corre-corres (corres-corres)
pisca-pisca / pisca-piscas (piscas-piscas)
quebra-quebra / quebra-quebras (quebras-quebras)

Observação: Não se pluraliza o substantivo composto formado por dois verbos de sentidos opostos. Exemplo: Marli e Dora são duas leva-e-traz.

Já quando os dois elementos do substantivo composto forem ligados por uma preposição, somente o primeiro irá para o plural.
Exemplos

pé-de-moleque / pés-de-moleque
mula-sem-cabeça / mulas-sem-cabeça

Os substantivos compostos onomatopaicos, ou seja, aqueles formados por termos que em sua pronúncia lembram o som da coisa significada, têm apenas seu segundo elemento pluralizado.
Exemplos

tique-taque / tique-taques
reco-reco / reco-recos
bem-te-vi / bem-te-vis
CASOS ESPECIAIS

As formas compostas "arco-íris" e "louva-a-deus" não possuem plural. Assim, por serem formas invariáveis, têm apenas os seus determinantes pluralizados.
Exemplos

O arco-íris / Os arco-íris
Aquele louva-a-Deus / Aqueles louva-a-Deus

Observação: Assim como "arco-íris" e "louva-a-Deus", existem outros substantivos de dois números (singular/plural) em nossa língua: "pires", "ônibus", "lápis", "vírus", "bônus", etc., que formam o plural da mesma maneira, isto é, têm apenas os seus determinantes pluralizados.


O substantivo composto "joão-ninguém" faz o plural "joões-ninguém".

Os adjetivos compostos, normalmente, têm (como na flexão de gênero masculino/feminino) apenas o seu segundo elemento alterado, o qual concordará com o substantivo que está modificando.
Exemplos

política econômico-financeira
políticas econômico-financeiras

país social-democrata
países social-democratas

aliança luso-brasileira
alianças luso-brasileiras

Existe um caso em que o adjetivo composto é invariável.Trata-se de alguns nomes de cores, nos quais o segundo elemento é um substantivo.
Exemplos

camisas amarelo-limão
vestidos azul-piscina
saias verde-garrafa

Apesar de não se incluírem na regra acima, as cores "azul-marinho", "azul-celeste", "cor-de-rosa", "cor-de-carne" e as palavras adjetivadas "ultravioleta", "infravermelho", "turquesa" e "pastel" também se apresentam invariáveis.
Exemplos

meias azul-marinho
olhos azul-celeste
blusas cor-de-rosa
biquínis cor-de-carne
raios ultravioleta
raios infravermelho
maiôs turquesa
tons pastel

Os advérbios apresentam-se sempre invariáveis.
Exemplos

O mundo precisa de MENOS preconceito e de MENOS corrupção.
Todos ficaram ALERTA

Fonte: intervox.nce.ufrj.br



Segundo Bechara, na sua Moderna Gramática Portuguesa, 37.ª edição, quando um composto é formado por dois nomes, apenas o primeiro flexiona em número se houver uma preposição expressa ou oculta.
Segundo Cunha e Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo, o mesmo fenó[ô]meno acontece quando o segundo nome determina ou restringe o primeiro.
Segundo outros estudos, predominantemente descritivos, o segundo nome não varia quando tem com o primeiro uma relação de subordinação.
Isto diz quem sabe. Mas, acima de quem sabe, está a língua portuguesa. E, neste aspecto concreto, subscrevo o que diz, prezado consulente, quando reconhece tratar-se de uma questão polé[ê]mica e pouco esclarecida. Eu só não diria que a questão é pouco esclarecida, pois tem sido estudada e há diversas justificações para os vários fenó[ô]menos. O que acontece, parece-me, é que a área do léxico – englobando aqui a neologia e a formação de palavras – é a que mais rapidamente muda. Tão rapidamente, que nem dá tempo para cimentar uma norma. Até no próprio conceito de palavra. Em princípio, o hífen serve para ligar duas – raramente mais – palavras, no sentido de fazer uma nova palavra que designa um novo conceito. Porém, são inúmeros os casos de expressões, talvez pudéssemos dizer locuções nominais, que designam um só conceito. E estas locuções nominais apresentam, no que se refere ao plural, os mesmos problemas que as palavras compostas por dois nomes.
Alguns estudiosos assumem, mesmo, que locuções verbais ou palavras compostas por justaposição – materializada através de hífen – são estádios transitórios na vida das palavras que, algures no futuro, vão encontrar a sua forma única, como o filho d’algo de outrora se uniformizou no fidalgo dos nossos dias.
Entretanto, forma transitória ou não, é com o aspecto que as palavras nos apresentam hoje que nós temos de conviver. Dizem igualmente alguns estudiosos que todas as palavras compostas por dois nomes entre os quais há uma relação de subordinação, ou seja, em que um dos nomes, o segundo, determina o primeiro, a tendência da língua é para atribuir ao segundo, por evolução regressiva, o valor de adje(c)tivo, fazendo com que ambas as palavras vão para o plural como se se tratasse de um composto por nome e adje(c)tivo. Talvez seja por isto que o dicionário Houaiss considera aceitáveis duas formas para o plural de muitos compostos. Está nessa situação, de entre as palavras ou expressões que refere, o composto menino-prodígio, para o qual se apontam dois plurais: meninos-prodígios e meninos-prodígio.
Sem pretender resolver a questão, que só o tempo, em boa verdade, resolverá, passo a analisar cada uma das expressões que refere:
ataque relâmpago – Não encontrei esta expressão como sendo uma palavra só. Parece tratar-se (ainda?) de uma locução nominal. Encontrei, no entanto, a palavra comício-relâmpago, que faz plural comícios-relâmpago. Se alguma analogia válida se pode fazer, então eu diria que o plural, porque neste aspecto locuções nominais e palavras compostas se comportam de forma idêntica, é ataques-relâmpago;
comício monstro – não encontrei o termo dicionarizado. Pela mesma analogia que estabeleci acima, talvez devesse escrever-se com hífen e ter como plural: comícios-monstro;
trabalho porco – porco é, neste contexto, adje(c)tivo. Trata-se de um grupo ou sintagma nominal composto por um nome e um adje(c)tivo, em que ambos vão para o plural: trabalhos porcos;
efeito de estufa – a palavra efeito aparece em muitas expressões nominais. Pode vir seguida de um nome ou de um adje(c)tivo – efeito especial, efeito fotoeléctrico, etc. Sempre sem hífen. No dicionário da Academia das Ciências de Lisboa, todos os exemplos apresentados em que o segundo elemento é também um nome a ligação dos dois nomes estabelece-se através da preposição de. Acontece assim em efeito de estufa e em efeito de bumerangue. Nestas condições o plural será efeitos de estufa, dado que quando os dois nomes de um composto estão relacionados através de uma preposição só o primeiro nome flexiona.
meio ambiente – também a palavra meio vem, muitas vezes, seguida de adje(c)tivos (meio exterior; meio óptico; meio magnético). Neste caso creio que optaria pelo plural meios ambientes, como o consulente indica.
Para mais informação sobre este mesmo assunto poderá consultar o que escrevi na resposta intitulada Ainda e (quase sempre) social-democratas?

Um comentário:

Paulo Sérgio disse...

Muito bem explicado, me ajudou bastante!!1