O QUE É O REFERENDO?

O artigo 14 da Constituição Federal determina que "a soberania popular será exercida pelo voto direto e secreto, e também, nos termos da lei, pelo plebiscito, referendo e pela iniciativa popular".

O referendo é uma consulta popular. Porém, é importante destacar que o referendo é a consulta ao povo feita DEPOIS da aprovação de uma lei, seja ela complementar, ordinária ou emenda à Constituição. No plebiscito, ao contrário, a consulta é feita ANTES da elaboração da lei.

No Brasil, uma das experiências de referendo aconteceu no governo de João Goulart, em 1961. Nesse período, o Congresso Nacional aprovou a Emenda Constitucional nº 4, que garantiu a posse do Presidente Goulart, mas instituiu o Parlamentarismo no País. Dois anos depois, a população foi consultada sobre a manutenção do regime parlamentarista ou o retorno do regime presidencialista. Assim, em janeiro de 1963, foi realizado um referendo, no qual os eleitores responderam pelo retorno ao Presidencialismo.



REFERENDO SOBRE COMÉRCIO DE ARMAS E MUNIÇÕES NO BRASIL


No dia 23 de outubro de 2005, o eleitorado brasileiro respondeu, através da urna eletrônica, se o comércio de armas e munições deve continuar existindo no País ou, ao contrário, se esse comércio deve acabar.

Este foi o segundo referendo realizado no Brasil e o primeiro do mundo em que a população foi consultada sobre o desarmamento.
A proibição do comércio de armas já consta no Estatuto do Desarmamento (lei 10.826/2003), mas somente com o referendo esse ponto da lei terá validade.
Um estudo da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) mostrou que 104 pessoas são vítimas de armas de fogo por dia no Brasil. Entre 1979 e 2003, o número de mortes por armas alcançou 550 mil pessoas, e, destas, quase a metade tinha entre 15 e 24 anos.
A aprovação, pela Câmara dos Deputados, do Decreto Legislativo sobre o referendo (por 258 votos a favor e 48 contra) ocorreu no dia 6 de julho de 2005, e a promulgação, pelo Congresso Nacional, foi feita no dia 7 de julho de 2005.
Como, no País, 59.109.265 eleitores (63,94%) decidiram pelo NÃO, a comercialização de armas e munições continuará. O SIM obteve a preferência de 33.333.045 eleitores (36,06%).

COMO OPTAR PELO "SIM" OU "NÃO" NA URNA ELETRÔNICA

Através de sorteio, realizado no dia 9 de agosto de 2005, o Tribunal Superior Eleitoral definiu os números associados às opções SIM e NÃO na urna eletrônica para o Referendo de 23 de outubro, da seguinte forma:
A opção "NÃO" à proibição da venda de armas de fogo e munição correspondeu à TECLA NÚMERO 1;
A opção "SIM" à proibição da venda de armas de fogo e munição correspondeu à TECLA NÚMERO 2;
O voto foi NULO se o eleitor digitou um número diferente de 1 ou 2 e, a seguir, apertou a tecla CONFIRMA.
Para votar "em branco" o eleitor apertou a tecla BRANCO e a tecla CONFIRMA.

PARTICIPAÇÃO DO ELEITOR
Participaram do referendo, os eleitores que estavam quites com a Justiça Eleitoral.
O voto é OBRIGATÓRIO para os eleitores que têm entre 18 e 70 anos. Para os jovens maiores de 16 anos e menores de 18, e também para os que têm mais de 70 anos, o voto é FACULTATIVO.

CALENDÁRIO DO REFERENDO


O calendário do Tribunal Superior Eleitoral TSE estabeleceu o dia 23 de julho de 2005 como prazo final de alistamento dos novos eleitores ou transferência de títulos eleitorais.

A propaganda relativa ao referendo começou no dia 1º de agosto de 2005.

A partir do dia 8 de setembro de 2005, o TSE pôde requisitar, das emissoras de rádio e televisão, 15 minutos diários, contínuos ou não, para a divulgação dos comunicados, boletins e instruções ao eleitorado. Esses minutos puderam ser somados e usados em dias espaçados.

A propaganda gratuita no rádio e na televisão começou no dia 1º de outubro de 2005 e, a partir de 13 de outubro de 2005, os cartórios eleitorais forneceram gratuitamente aos eleitores interessados o "Requerimento de Justificativa Eleitoral".

No dia 20 de outubro de 2005 terminou a propaganda feita por meio de comícios, reuniões públicas, debates e propaganda gratuita no rádio e na televisão.

No dia 23 de outubro de 2005, a votação começou às 8 horas e terminou às 17 horas.



CURIOSIDADES SOBRE O USO DE ARMAS EM OUTROS PAÍSES:

(Fonte de Pesquisa: Revista Isto É – 13.07.2005)

Estados Unidos: Os Estados são autônomos para legislar sobre a questão. Na maioria deles, o uso e a venda de armamentos pessoais são permitidos.
Japão: Venda e uso de armas são proibidos.
Grã-Bretanha: Venda e porte de armas são proibidos. Apenas armamentos de caça podem ser vendidos e usados. Até mesmo a prática de tiro esportivo é proibida.
França: Armas de uso pessoal são proibidas. Apenas armamentos de caça são permitidos.
México: A lei permite que os mexicanos tenham armas em casa, mas a Secretaria de Defesa não concede permissão para fabricação, porte ou posse.
Argentina: Tem a figura do "legítimo usuário", que é o cidadão que se habilita a portar uma arma após fazer um curso específico, prova e teste psicotécnico. A cada dois anos, a habilitação é renovada, inclusive com a realização do exame psicotécnico. A lei restringe bastante o uso de armas.


O REFERENDO

Por Anis Leão *

As diferentes Constituições do mundo usam a expressões plebiscito e referendo como sinônimas, e também de consulta popular e referendo consultivo.

Costuma-se dizer que no plebiscito, os eleitores são chamados a deliberar sobre tema não precedido de ato legislativo ou administrativo do Governo; se houver esse ato anterior, a consulta teria o nome de referendo.

Autores há que afirmam que no plebiscito o povo delibera sobre fatos ou acontecimentos determinados, enquanto no referendo decide a respeito de ato normativo.

Juristas entendem que, quando o povo decide a respeito de certo homem, dá-se o plebiscito e, quando delibera sobre certo problema, ocorre o referendo.

No Brasil, a Carta Magna de 1937 (ditatorial, de Getúlio Vargas) previu muitos plebiscitos, até mesmo um para aprová-la, ou não. Não se realizou jamais qualquer deles.

A vigente Constituição de 1988, no Ato das Disposições Transitórias, estabeleceu que haveria plebiscito em 7 de setembro de 1993, para que o povo escolhesse entre república ou monarquia constitucional e parlamentarismo ou presidencialismo; a consulta foi antecipada para 21 de abril de 1993, e república e presidencialismo venceram disparados.

Temos já a Lei 9.709-88, que define plebiscito como convocação com anterioridade de ato legislativo ou administrativo, cabendo os eleitores aprovar ou desaprovar o que lhes tenha sido submetido; o referendo será convocado com posterioridade a ato legislativo ou administrativo, cabendo ao povo, pelo voto, aprovar ou desaprovar o que lhe tenha sido submetido.

Em 1961, quando o Presidente Jânio Quadro renunciou, seu sucessor era João Goulart (Jango), rejeitado pelos ministros militares, temerosos de ele levar o Brasil para o caos, a anarquia e a guerra civil. Sob pressão , o Congresso Nacional adotou o parlamentarismo, reduzindo os poderes de Jango, que seria Chefe do Estado mas não Chefe do Governo. Aprovou a Emenda Constitucional 4, em setembro daquele ano, e marcou plebiscito, para o ano de 1965, para manutenção ou não do parlamentarismo.

Ocorre que Lei Complementar, de setembro de 1962, antecipou a consulta, que chamou de referendo, para 6 de janeiro de 1963. Realizado esse único referendo no Brasil, 77 por cento dos eleitores rejeitaram o parlamentarismo.

* Ex-diretor do TRE-MG, servidor aposentado da Justiça Eleitoral

Type rest of the post here
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016