Atualidades 09/08/2011

MANCHETES DOS JORNAIS 09/08/2011

Folha de SP = Investidor foge para papéis dos EUA e derruba Bolsas
O Estado de SP = Bolsas repetem queda de 2008 e Brasil promete aperto fiscal
O Globo = Alerta global - Bolsas assombram mundo
Correio Braziliense = Crise atinge bolsas, servidor e ameaça Natal do brasileiro
Estado de Minas = Por que a crise nos EUA assusta tanto
Valor Econômico = Resposta inicial à crise no país deve ser monetária, e não fiscal
Brasil Econômico = Obama sustenta que EUA são AAA, mesmo deixando o mundo em pânico
Zero Hora (P. Alegre) = Bolsas têm pior dia desde crise de 2008
A Tarde (Salvador) = Crise
O Povo (Fortaleza) = Em meio ao pânico, Dilma pede que brasileiro compre
Jornal da Tarde (SP) = No 1º dia, paulistano ignora a `lei da faixa'
Diário Catarinense (Florianópolis) = Defenda seu dinheiro
Gazeta do Povo (Curitiba) = Investidor sai da bolsa e Bovespa cai mais 8%
Jornal do Commercio (Recife) = Fiat vai gerar 4.500 empregos em Goiana
09 de agosto de 2011

O Globo


Manchete: Alerta global - Bolsas assombram mundo

Bovespa tem a maior queda. Vale e Petrobras, juntas, perdem quase R$ 43 bilhões

No primeiro dia útil após o rebaixamento da nota dos EUA pela Standard & Poor's, os mercados financeiros derreteram. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) chegou a cair 9,73% e, por muito pouco, os negócios não foram interrompidos no circuit breaker - acionado quando a queda chega a 10%. Entre as principais bolsas do mundo, a Bovespa foi a que mais caiu: 8,08% no fim do dia. Só perdeu para a da Argentina, bem menor. O desastre arrastou bolsas na Ásia, na Europa e nos EUA. As baixas se acentuaram após o fraco discurso do presidente Obama, que se limitou a desafiar as agências de risco e dizer que o país é e sempre será "AAA". Só Vale e Petrobras perderam juntas o equivalente a R$ 43 bilhões ou duas CSNs. As empresas do império X, de Eike Batista, viram R$ 7,4 bi virarem pó. (Págs. 1, 19 a 25 e editorial "Precauções numa crise nada desprezível")


Efeito bumerangue

Mesmo rebaixados, títulos do Tesouro dos EUA acabaram, por ironia, virando porto seguro para os investidores, assustados com a queda forte no resto do mundo. No Brasil, o dinheiro também migrou para renda fixa e até dólar, que foi a R$ 1,61. O ouro subiu 3,7%, batendo US$ 1.713,20 a onça troy. (Págs. 1, 20, 22 e Miriam Leitão)

Saques e incêndios põem Londres em pânico

A capital britânica viveu um novo dia de tensão, pânico e muita violência, nos mais graves distúrbios em 25 anos. Jovens mascarados saquearam lojas, incendiaram prédios e carros, e várias estações de metrô foram fechadas. Mais de 300 foram presos. Os protestos, ordenados através das redes sociais se espalharam por diferentes regiões, chegando a Hackney, a apenas seis quilômetros do parque onde será aberta a Olimpíada de 2012. Atingiram ainda mais três cidades do país. Autoridades pediram aos londrinos que evitem sair às ruas. (Págs. 1, 29 e 30)


Quem é o pivô da onda de revolta

Para a família, o britânico Mark Duggan, de 29 anos, cuja morte desencadeou os protestos, era um pai amoroso, embora em fotos no Facebook faça pose de gângster. A polícia diz que ele reagiu a tiros ao ser abordado. (Págs. 1 e 30)

Ministério da Agricultura é alvo de devassa

A Controladoria Geral da União (CGU) recolheu ontem computadores usados no Ministério da Agricultura por servidores suspeitos de integrar um esquema de fraude em licitações e pedidos de propina. Milton Ortolan, ex-secretário executivo da pasta, que pediu demissão após a divulgação das denúncias, terá que se explicar à Comissão de Ética da Presidência. Ortolan era homem de confiança do ministro Wagner Rossi, elogiado ontem pela presidente Dilma. "Não é ele que está em questão", disse ela. (Págs. 1, 3 e 4)

------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo


Manchete: Investidor foge para papéis dos EUA e derruba Bolsas

De novo, a crise: Sempre fomos e seremos nação AAA, diz Obama; Bovespa despenca

Apesar do rebaixamento da nota de risco dos EUA pela agência de risco Standard & Poor's, investidores buscaram refúgio nos títulos do Tesouro americano. A fuga de capital das Bolsas derrubou índices pelo mundo. A Bovespa caiu 8,08%, e o dólar subiu para R$ l,61.

O Dow Jones teve queda de 5,6%, a mais expressiva desde 2008. Em reação ao rebaixamento da nota dos EUA, Barack Obama disse que o país ainda é um investimento seguro. "Sempre fomos e seremos nação AAA". (Págs. 1 e Mundo A12)
Em um dia, Vale e Petrobras perdem R$ 42,6 bi do valor

Em um dia de pânico, a Vale e a Petrobras, as principais empresas do Ibovespa, perderam R$ 42,6 bilhões em valor de mercado. As ações da Vale caíram 9,4%; as da Petrobras, 7,8%.

A Marfrig, dona da marca Seara, liderou as perdas, com queda de 24,8%.

Eike Batista, que nos últimos dias perdeu R$ 2 bilhões, diz manter o sangue "geladérrimo". (Págs. 1 e Mundo A13)

Vinícius Torres Freire
Queda foi maior para os grandes bancos dos EUA. (Págs. 1 e Mundo A14)
Mantega pede cautela fiscal; Dilma, consumo sem excessos (Págs. 1 e Mundo A14)


Conflitos e saques se espalham em Londres

A onda de saques e conflito com policiais iniciada sábado em Londres se espalhou ontem por toda a cidade. Lojas, casas, carros e ônibus foram incendiados. Os distúrbios começaram em Hackney, bairro perto de onde será a Olimpíada-12.

Depois, eles se espalharam por outras regiões. (Págs. 1 e Mundo A15)
Isolamento sírio aumenta entre os países árabes

Além da Arábia Saudita, Kuait e Bahrein retiraram seus embaixadores da Síria, aumentando o isolamento do ditador Bashar Assad.

Representantes do Brasil, da Índia e da África do Sul levarão amanhã a Damasco documento em que pedem o fim da violência. (Págs. 1 e Mundo A16)
Chefe do Exército favoreceu firmas, diz análise do TCU

Análise do TCU diz que o comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, beneficiou firmas ligadas a militares ao dispensá-las de licitação entre 2003 e 2007. Há também casos de duplicidade de pagamento.

O Exército apurará possível dano ao erário. (Págs. 1 e Poder A4)



Motorista não respeita pedestre em 1º dia de multa

A lei que dá preferência a pedestres estreou no centro com desrespeito generalizado e fiscais insuficientes. A CET não tinha o total de multas ministradas. Houve ao menos 20 atropelamentos. Kassab anunciou que, em um mês, toda a cidade será fiscalizada. (Págs. 1 e Cotidiano C1)
A convite de Lula, Fernando Morais escreverá história do seu governo (Págs. 1 e Poder A9)


Foto legenda: Queda livre

Guincho ajuda a retirar carreta que ficou pendurada em vão após cair do Rodoanel sobre a via Raposo Tavares, em Cotia; o motorista não se feriu. (Págs. 1 e Cotidiano C4)


Editoriais

Leia "Tempestade perfeita", sobre a economia mundial, e "Civilização pela multa", acerca de campanha para dar prioridade aos pedestres. (Págs. 1 e Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo


Manchete: Bolsas repetem queda de 2008 e Brasil promete aperto fiscal

Mercado global desaba após rebaixamento da nota dos EUA - Crescem dúvidas de investidores sobre capacidade das nações ricas de pagar suas dívidas - Mantega diz que País não está imune à crise e fala em 'uma surpresa fiscal a cada mês'

O mercado global viveu ontem o dia mais turbulento desde o auge da crise que eclodiu em setembro de 2008. A queda foi generalizada, com exceção dos títulos do Tesouro dos EUA e do ouro. O motivo imediato foi o rebaixamento da nota dos EUA pela agência de classificação de risco Standard & Poor's, na sexta-feira à noite. O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou que "o Brasil está preparado, mas não está imune à crise". Ele disse que o governo vai apertar as contas públicas: "Prometo a cada mês uma surpresa fiscal". O foco do problema é a dúvida dos investidores sobre a capacidade dos países ricos de honrar dívidas. Em alguns casos (Espanha, Grécia, Portugal e Itália), a desconfiança aparece já no curto prazo. Em outros, o temor está no médio e no longo prazo, como nos EUA e na França. (Págs. 1 e Economia B1,B3, B10, B14)

Impacto nas empresas

A perda de valor de mercado das empresas brasileiras com a turbulência somou R$ 146,98 bilhões - Petrobras, Vale e Itaú são quase 40% desse total. Em porcentual, a maior queda foi da Marfrig (25,75%). (Págs. 1 e Economia B14)

Análises

Paul Krugman

Cara de pau e dívida

Não é a matemática que está fazendo com que os EUA pareçam pouco confiáveis, e sim a política. (Págs. 1 e Economia B5)

Celso Ming

Perda de chão

Cresce o risco de um colapso global de credito. As atenções se voltam agora para os bancos centrais. (Págs. 1 e Economia B2)

Entrevista
Kenneth Rogoff

Questão de ajuste

O mercado está se ajustando à realidade de uma desaceleração constante e uma recuperação muito fraca. (Págs. 1 e Economia B6)

Barack Obama
Presidente dos EUA

"Não importa o que alguma agência possa dizer. Nós sempre fomos e sempre seremos um país AAA" (Pág. 1)

CGU apreende computadores da Agricultura

Apesar do apoio da presidente Dilma Rousseff ao ministro Wagner Rossi (Agricultura), a Controladoria-Geral da União recolheu computadores e abriu nova investigação sobre corrupção na pasta. (Págs. 1 e Nacional A4)


Missão brasileira dialoga com Síria, mas cobra 'limite'

A missão liderada pelo Brasil para dialogar com o regime sírio desembarca hoje em Damasco para manter os canais de negociação abertos, mas deixará claro que há "limite" para a repressão, relata Jamil Chade. (Págs. 1 e Internacional A13)


Foto legenda: Onda de violência toma Londres

Loja é saqueada em Hackney, na parte leste de Londres; onda de violência desencadeada pela morte de um jovem negro completou ontem três dias, com saldo de 215 presos e 35 policiais feridos. Também houve confrontos em Birmingham, no norte do país. (Págs. 1 e Internacional A10)

SP amplia multa por desrespeito ao pedestre

A partir de setembro, a aplicação de multas para motoristas que não pararem na faixa de pedestre será expandida para toda a cidade de São Paulo. Ontem começaram as sanções na região central. (Págs. 1 e Cidades C1)

Procurador de SP terá de devolver parte do salário (Págs. 1 e Cidades C5)



Falta de professor faz USP enxugar curso de Economia (Págs. 1 e Vida A15)


Impasse legal ameaça casa de Julia Mann em Paraty (Págs. 1 e Caderno 2)


Notas & Informações

Nos EUA, política rebaixada

O desafio agora é diferente. A crise se deslocou dos bancos para governos altamente endividados. (Págs. 1 e A3)

------------------------------------------------------------------------------------

Correio Braziliense


Manchete: Crise atinge bolsas, servidor e ameaça Natal do brasileiro

O ataque de nervos que tomou conta dos mercados intriga economistas. Seria mera especulação ou investidores voltaram a levar a sério a Standard & Poor's? Sem credibilidade, desde os erros capitais que empurraram o mundo para o abismo em 2008, a companhia de classificação de risco pôs o planeta em pânico outra vez após declarar que os Estados Unidos já não seriam, pela primeira vez na história, o país mais confiável para se investir. O impacto do anúncio, feito na sexta-feira à noite, foi sentido com toda força ontem. Desde 2008, as bolsas não caíam tanto. A de São Paulo, que chegou a desabar quase 10%, fechou o dia em baixa de 8,08%. A presidente Dilma pediu cautela e observação, mas incentivou o brasileiro a não deixar de consumir, repetindo o conselho dado por Lula três anos atrás quando ocorreu o crash do subprime americano. Com receio de um Natal fraco, o comércio cobra do governo a redução da taxa de juros e a garantia de crédito. Na indústria, é grande o temor de que o setor seja afetado por uma queda no volume de encomendas. Quem também deve sentir no bolso o impacto da crise são os servidores públicos. "Pedir aumento de salário não adianta", avisou o ministro Guido Mantega, ao sair de encontro com Dilma. (Págs. 1 e 8 a 14)


À flor da pele

Quando Dilma começou a falar sobre a crise, a Bovespa ensaiou uma recuperação, mas voltou a desabar após o discurso de Obama. O dólar subiu 1,96% e fechou cotado a R$ 1,612, maior valorização em um dia desde 6 de maio de 2010. (Págs. 1 e 8 a 14)


O Mercado em vermelho

No mundo inteiro, bolsas viveram o pior dia desde 2008. No Brasil, a Bovespa chegou a cair quase 10% e encerrou o dia em -8,08%. (Pág. 1)

GDF terá 62 mil novos funcionários até 2015 (Págs. 1 e 23)



Londres sob o domínio do caos

Bombeiros apagam incêndio no subúrbio de Croyton: os motins e os confrontos entre manifestantes e polícia se alastram pela capital inglesa. (Págs. 1, 18 e Visão do Correio, 16)

Presidente quer Defesa sem ideologia

Para acalmar militares, Dilma garante que o respeito à Constituição pautará Celso Amorim no ministério. (Págs. 1 e 3)


Rebelião em marcha no Dnit

Diretores do órgão incitam os servidores a pararem de trabalhar em protesto contra nomeações do Planalto. (Págs. 1 e 2)

------------------------------------------------------------------------------------

Valor Econômico


Manchete: Resposta inicial à crise no país deve ser monetária, e não fiscal

O desastre de ontem nos mercados financeiros, consequência do rebaixamento da nota de crédito dos Estados Unidos, pôs a economia definitivamente na segunda rodada da crise global - a primeira começou em 2008. Com isso, segundo a totalidade dos especialistas entrevistados pelo Valor, o Banco Central brasileiro deveria interromper imediatamente o ciclo de alta dos juros e até começar a cortá-los em caso de agravamento da situação internacional. Se necessário, os depósitos compulsórios dos bancos, que hoje somam R$ 420 bilhões, também deveriam ser reduzidos para estimular o crédito. Em resumo, para os economistas, a resposta imediata deve ser monetária, e não fiscal.

Em 2008, a crise trouxe a paralisia do crédito, o que os financistas chamam de empoçamento de liquidez. Hoje, a situação é diferente e não há interrupção nas operações do interbancário. Nesse quadro, não haveria motivos para respostas apressadas. (Págs. 1, A3, C1, C2, C3, C4 e C10)

Os investidores que estão comprando mais ações na Bolsa

No dia mais nervoso para os mercados desde a crise de 2008, investidores com visão de longo prazo e fundos de ações aproveitaram para ir às compras, repetindo a estratégia das últimas semanas. Os fundos de pensão, por exemplo, não têm diminuído sua posição em bolsa. A Funcef, dos funcionários da Caixa, deve repetir a política de 2008, quando ganhou dinheiro aumentando sua carteira de ações a partir momento em que o Ibovespa caiu a 35 mil pontos. (Págs. 1, D1 e D2)



EUA se preparam para crédito mais caro

O rebaixamento da dívida americana não vai causar de imediato muitos cortes na classificação de crédito de empresas dos EUA, mas a expectativa é de que haja um aumento nos custos dos empréstimos para todo tipo de companhia. A crise tem ampliado a ânsia das empresas por mais dinheiro no caixa. (Págs. 1 e B10)
Bolsas sofrem fortes quedas em todo o mundo

O mercado financeiro cedeu à percepção de que a crise global vai afetar o desempenho da economia brasileira. Diante da turbulência pelo inédito rebaixamento da nota de crédito dos EUA, ajustou suas apostas para o rumo da política monetária local. No mercado de juros futuros, as taxas dos contratos de DI despencaram e passaram a projetar corte da taxa Selic já neste ano.

Nas Bolsas de Valores, inclusive na Bovespa, o dia foi de quedas significativas. Em Nova York, o Dow Jones recuou 5,55%, para 10.809 pontos, e a Nasdaq caiu 6,9%, aos 2.357 pontos. O Índice Bovespa chegou a cair 9,74%, mas depois apresentou uma pequena melhora e fechou o dia em baixa de 8,08%, a maior queda desde 22 de outubro de 2008. (Págs. 1, B9, B13, C1, C2 e D2)

Indígenas ameaçam estrada da OAS na Bolívia

A construção por uma empresa brasileira, a OAS, de uma rodovia na Bolívia com financiamento de US$ 332 milhões do BNDES é causa de desentendimento entre o presidente Evo Morales e líderes indígenas. A estrada, que ligará os Departamentos de Cochabamba e Santa Cruz, atravessa uma reserva onde vivem cerca de 12 mil nativos. Após semanas de debates, líderes indígenas decidiram impedir que a estrada corte seu território.

"Nós realizamos um encontro, uma assembleia, e a decisão foi negar a passagem do trecho 2 da estrada porque ele atenta contra a integridade do parque", disse ao Valor Adolfo Moye, que representa 64 comunidades indígenas. "Não vamos aceitar." (Págs. 1 e A9)


Cardozo fica com 'Comissão da Verdade'

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a troca de comando no Ministério da Defesa e passou para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a negociação sobre a criação da Comissão Nacional da Verdade para investigar a prática de crimes contra os direitos humanos na ditadura. A expectativa é de que o trânsito do ministro no Congresso facilite a negociação do projeto.

Uma das primeiras iniciativas de Cardozo será a discussão da proposta com os ministros Celso Amorim, empossado ontem na Defesa, e Maria do Rosário Nunes, da Secretaria de Direitos Humanos. (Págs. 1, A5 e A6)

Perto de superar a economia argentina, Colômbia vive fase de otimismo (Págs. 1 e A12)



Walmart volta a se interessar por ativos do Carrefour no Brasil (Págs. 1 e B7)




Eletrobras vai disputar a controle da EDP, diz Carvalho Neto (Págs. 1 e B9)


Rendição ao câmbio

Tradicionais setores exportadores de Santa Catarina, como a indústria têxtil, de vestuário, moveleira e de cerâmica, reagem à queda nas exportações e se transformam em importadoras de produtos acabados. (Págs. 1 e A4)


Disputa societária na Norsul

A venda de parte das ações da Norsul, um dos maiores armadores privados do Brasil, levou à Justiça os controladores da família Lorentzen e o ex-presidente da empresa, Hugo Figueiredo. (Págs. 1, B1 e B8)

Conjunção de mídias

Pesquisa internacional feita pela Motorola mostra que 61% dos brasileiros entrevistados já usaram redes sociais, e-mail ou serviços de mensagem instantânea enquanto assistiam TV. (Págs. 1 e B2)



Ânimo na cadeia produtiva

Pouco conhecidos do consumidor final, fabricantes de equipamentos para a indústrias de eletroeletrônicos, computadores e equipamentos de telecomunicações comemoram os bons resultados no Brasil. (Págs. 1 e B3)
Discovery na escola

O Discovery, canal de TV a cabo, está em negociações com escolas públicas para venda de seu conteúdo educacional em formato de DVDs. Cada coleção, com 18 títulos, será vendida por aproximadamente R$ 1,1 mil. (Págs. 1 e B7)


Light mira motos elétricas

A distribuidora fluminense de energia Light comprou 20% da CR Zongshen E-Power, empresa controladora da fabricante de motocicletas Kasinski, que tem como sócios o grupo chinês Zongshen e o empresário Cláudio Rosa. (Págs. 1 e B8)


Usina São João deixa a Allicom

Após três anos, o grupo sucroalcooleiros São João (USJ) está deixando a parceria com Santa Cruz e São Martinho no consórcio de comercialização Allicom. A razão seria mudança no perfil produtor da USJ, mais focado em açúcar para o mercado interno. (Págs. 1 e B13)

Ideias

Delfim Netto

Os mercados apenas confirmaram que agem como manada, buscando a segurança na insegurança. (Págs. 1 e A2)


Ideias

Tony Volpon

O tripé alta das commodities, expansão do crédito e do mercado de trabalho já mostra sinais de esgotamento. (Págs. 1 e A10)

------------------------------------------------------------------------------------

Estado de Minas


Manchete: Por que a crise nos EUA assusta tanto

O terremoto financeiro no primeiro dia de abertura dos mercados após o rebaixamento da classificação de risco da dívida americana fez desabar as bolsas em todo o mundo e tem impacto na economia brasileira. Analistas e empresários alertam que, ainda que não sejam imediatos, os reflexos chegarão. Tomar dinheiro emprestado deverá ficar mais caro, afetando investimentos. A retração da economia mundial tende a levar a uma redução da demanda por produtos brasileiros. E o fluxo maior de dólares para países em situação mais favorável, como o Brasil, pode valorizar ainda mais o real, prejudicando as exportações.

"Não importa o que dizem as agências de crédito, nossa economia sempre será AAA"
Barack Obama, presidente dos Estados Unidos

"Não somos imunes, mas o Brasil tem força suficiente para fazer face a essa conjuntura"
Dilma Rousseff, presidente do Brasil

"Íamos entrar em um ciclo virtuoso e sair da recessão. A crise atrasará esse processo"
Luiz Antonio Pinazza, diretor da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag). (Págs. 1 e 18 a 20)
Foto legenda: Tumulto e fogo assustam Londres

No terceiro dia de protestos, a violência e os saques se multiplicaram pelos bairros mais pobres. Jovens atearam fogo em veículos e lojas. Mais de 200 foram presos. Os distúrbios se espalharam por outras cidades. (Págs. 1 e 23)
Falta gasolina nos postos da Grande BH

Parada de manutenção na Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim, durante período de grande procura pelo combustível e alto preço do álcool têm provocado desabastecimento em Belo Horizonte e cidades vizinhas. Ajustes na unidade reduziram a produção em 40% e devem durar três meses. (Págs. 1 e 21)
DNIT: Interinos se insurgem contra Dilma

Três diretores provisórios fizeram assembleia no órgão defendendo a troca de cinco indicações da presidente para a diretoria efetiva por funcionários de carreira, sob ameaça de greve. (Págs. 1 e 3)
Greve ameaça até o Enem

Por causa da paralisação de mais de dois meses na rede estadual, associações de pais vão à Justiça para adiar o Enem. (Págs. 1, 28 e Editorial, 8)

Laudos podem deixar dúvida

Parentes de mineiro e paulista mortos no Peru temem resultado inconclusivo de exames no Brasil. (Págs. 1 e 27)

Caso Bruno: Juíza afastada é internada por superdose de remédios. (Págs. 1 e 2)



BR-381: Alto volume de veículos afeta ponte improvisada. (Págs. 1 e 25)


------------------------------------------------------------------------------------

Jornal do Commercio


Manchete: Fiat vai gerar 4.500 empregos em Goiana

Montadora italiana confirma hoje mudança da fábrica de Suape para a Mata Norte. Investimento vai subir de R$ 3 bilhões para R$ 4 bilhões. À tarde, haverá festa na cidade com fogos, carreata e até shows do Mastruz com leite e Saia Rodada. (Págs. 1 e Economia 3)

Bolsas de valores despencam pelo mundo

Rebaixamento da nota de risco do EUA provocou queda no mercado de ações de todo o planeta. Bovespa foi a que mais caiu. (Págs. 1 e Economia 1 e 2)
OEA exige mudanças no Aníbal Bruno (Págs. 1 e Cidades 3)


Lula faz ironias em palestra no Recife (Págs. 1, 3, 4 e Economia 3)


Ellen Gracie oficializa aposentadoria no STF (Págs. 1 e 3)


Cidades: Farra foi grande no quartel da Aeronáutica (Págs. 1 e Cidades 2)


Londres enfrenta terceiro dia de saques e protestos (Págs. 1 e 12)


Oficial de Justiça driblou a prisão durante oito anos (Págs. 1 e Cidades 2)


------------------------------------------------------------------------------------

Zero Hora


Manchete: Bolsas têm pior dia desde crise de 2008

Apesar de o presidente americano, Barack Obama, tentar passar uma mensagem tranquilizadora, mercados do mundo inteiro desabam e fecham no vermelho.

As principais dificuldades de 2011

As saídas encontradas em 2008.

Ninguém escapa, diz Jorge Gerdau.

Dilma pede para manter consumo. (Págs. 1, 4 a 10, as opiniões de Rosane de Oliveira, Marçal Alves Leite e Maria Isabel Hammes e ainda as charges de Marco Aurélio e Iotti)

ECA em xeque: Jovem recém saído da Fase é procurado por estupro

Liberado há seis meses, rapaz de 19 anos que confessou ter matado 12 já está foragido. (Págs. 1, 36 e 37)


Retrato do país: A classe média puxa o Brasil

Em uma década, mais 31 milhões de pessoas se incorporaram à classe C. (Págs. 1 e 26)

------------------------------------------------------------------------------------

Brasil Econômico


Manchete: Obama sustenta que EUA são AAA, mesmo deixando o mundo em pânico

Apesar da decisão da Standard&Poor's de rebaixar a classificação da dívida americana, aumentou a liquidez dos títulos do Tesouro dos EUA. "Sempre seremos um país AAA", reagiu o presidente Barack Obama. No Brasil, o Ibovespa chegou a cair 9,74% ao longo do pregão. (Págs. 1 e 4)


Para economistas, Brasil está blindado contra a crise

Mercado interno aquecido e baixo nível de abertura da economia dão fôlego para o país. (Págs. 1 e 10)


Petrobras mantém plano de captação

Presidente da companhia, José Sérgio Gabrielli diz que projeto é claro e atrairá investidores. (Págs. 1 e 18)

Cena externa traz maior efeito sobre dólar em 10 meses

Impacto de um dia de turbulência mundial é maior que sequência de medidas do governo.(Págs. 1 e 30)


Investidor deve estabelecer controle de risco para aplicar em renda variável

A recomendação é básica, mas esquecida por muitos investidores: para aplicar em bolsa, é preciso estratégia, seja com tolerância máxima a perdas ou proteção via derivativos. (Págs. 1 e 34)


Grupo mineiro Redep, presidido por Fernando Rennó, desenvolveu uma fábrica modular para produção de gás natural liquefeito (GNL) (Págs. 1 e 20)


A Eletrobras planeja dobrar seu ritmo anual de investimento para R$ 12 bilhões, a fim de atender ao aumento da demanda (Págs. 1 e 22)


------------------------------------------------------------------------------------





Fique por dentro



Cardozo fica com 'Comissão da Verdade' = A presidente Dilma Rousseff aproveitou a troca de comando no Ministério da Defesa e passou para o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a negociação sobre a criação da Comissão Nacional da Verdade para investigar a prática de crimes contra os direitos humanos na ditadura. A expectativa é de que o trânsito do ministro no Congresso facilite a negociação do projeto. Uma das primeiras iniciativas de Cardozo será a discussão da proposta com os ministros Celso Amorim, empossado ontem na Defesa, e Maria do Rosário Nunes, da Secretaria de Direitos Humanos. (Valor Econômico)

Ministério da Agricultura é alvo de devassa = A Controladoria Geral da União (CGU) recolheu ontem computadores usados no Ministério da Agricultura por servidores suspeitos de integrar um esquema de fraude em licitações e pedidos de propina. Milton Ortolan, ex-secretário executivo da pasta, que pediu demissão após a divulgação das denúncias, terá que se explicar à Comissão de Ética da Presidência. Ortolan era homem de confiança do ministro Wagner Rossi, elogiado ontem pela presidente Dilma. "Não é ele que está em questão", disse ela. (O Globo)
CGU apreende computadores da Agricultura = Apesar do apoio da presidente Dilma Rousseff ao ministro Wagner Rossi (Agricultura), a Controladoria-Geral da União recolheu computadores e abriu nova investigação sobre corrupção na pasta. (O Estado de S. Paulo)
Comissão de Ética investiga Pagot, Jucá Neto e Ortolan = A Comissão de Ética da Presidência da República anunciou, nesta segunda-feira, abertura de investigação contra Milton Ortolan, ex-secretário executivo do Ministério da Agricultura, Oscar Jucá Neto, ex-diretor financeiro da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e Luiz Antonio Pagot, ex-diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

De acordo com o presidente da comissão, Sepúlveda Pertence, a presidência ainda solicitou à CGU (Controladoria-Geral da União) informações sobre as denúncia publicadas pela imprensa envolvendo o Ministério dos Transportes. "A comissão não tem elementos para investigar o ministério [dos Transportes] e por isso solicitou à CGU informações para analisar se há algo da nossa alçada", afirmou Pertence. O presidente da comissão não descartou investigações sobre outros funcionários dos Transportes e da Agricultura, caso surjam evidências "objetivas" após o resultado dos procedimentos. Milton Ortolan, da Agricutura, deverá manifestar-se sobre acusações a respeito do favorecimento de lobistas no ministério. Jucá Neto, sobre possíveis esquemas de corrupção na Conab --além de receber censura por nâo ter entregue a DCI (Declaração Confidencial de Informação), documento de assinatura obrigatória para servidores em cargos de diretoria. Pagot, do Dnit, deverá prestar esclarecimentos sobre o não cumprimento de quarentena após a saída do cargo de diretor-geral do departamento. Segundo Pertence, não há nenhuma irregularidade quanto ao descumprimento de Pagot. Ele afirmou que, em princípio, ele continuará recebendo salário de servidor. A Comissão de Ética não estabeleceu prazo para o resultado das investigações. De acordo com Pertence, os resultados dependerão da celeridade na entrega de informações por parte dos envolvidos. O presidente disse que, até setembro, a comissão já deverá "ter algo". (Folha de S. Paulo)

Chefe do Exército favoreceu firmas, diz análise do TCU = Análise do TCU diz que o comandante do Exército, general Enzo Martins Peri, beneficiou firmas ligadas a militares ao dispensá-las de licitação entre 2003 e 2007. Há também casos de duplicidade de pagamento. O Exército apurará possível dano ao erário. (Folha de S. Paulo)

Morre Walter Abrahão, ex-locutor esportivo = O ex-locutor esportivo Walter Abrahão, 80, morreu nesta segunda-feira, vítima de câncer no pulmão. O velório foi realizado na Câmara Municipal de São Paulo na tarde de segunda-feira e depois o corpo foi levado ao cemitério da Vila Mariana para ser enterrado. Ele trabalhou na rádio Tupi, TV Tupi, SBT e TV Manchete, entre outras emissoras. Abrahão inventou um estilo diferente de narrar criando palavras como "oxo" para se referir ao placar 0 x 0 dos jogos. Ele participou do pool de TVs que transmitiu a Copa do Mundo de 1970. Foi eleito vereador de São Paulo, em 1988, e exerceu dois mandatos. Também foi presidente do Tribunal de Contas do Município de São Paulo de 1997 a 2001. (Folha de S. Paulo)

Senado terá sessão solene em homenagem a Itamar Franco 4ª = O Senado realizará uma sessão solene na quarta-feira (10) para "reverenciar a memória" do presidente e senador Itamar Franco, morto em 2 de julho, no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Ele estava internado desde o dia 21 de maio, quando recebeu diagnóstico de leucemia. A sessão tem início às 10h e incluirá o lançamento do livro "Itamar Franco: homem público democrata e republicano". A obra, editada pela Fundação Astrojildo Pereira, foi organizada por um jornalista e um historiador após a morte de Itamar. Segundo nota divulgada pelo PPS --partido pelo qual ele foi eleito senador em 2010--, o livro inclui dezenas de declarações, artigos e discursos feitos por autoridades brasileiras e estrangeiras, além de personalidades e líderes de partidos a respeito da trajetória do político mineiro. Itamar, que completou 81 anos no último dia 28 de junho, assumiu a Presidência após a renúncia de Fernando Collor de Mello. Ele também governou o Estado de Minas Gerais entre 1999 e 2003 e foi eleito senador no ano passado, com 5.125.455 votos. (Folha de S. Paulo)

Aposentadoria de Ellen Gracie é publicada no 'Diário Oficial' = Assinado pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro José Eduardo Cardozo (Justiça), o decreto que confirma a aposentadoria da ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Ellen Gracie Northfleet foi publicado nesta segunda-feira no "Diário Oficial" da União. Ela deixa o tribunal sem ter feito uma despedida formal. Não fez qualquer ato durante as sessões da semana passada, nem chegou a confirmar oficialmente a decisão de se aposentar. A partir de agora, o tribunal fica com apenas dez integrantes até que Dilma indique uma sucessora. Até o momento, o nome de sete mulheres estão na disputa. Ellen Gracie foi a primeira mulher a se tornar ministra do STF na história do Brasil, e a única a ocupar a presidência da corte. Com sua saída, a única representante do sexo feminino é a ministra Cármen Lúcia. (Folha de S. Paulo)

Após embate no PT, ministra Iriny Lopes ameaça demitir dissidentes = A ministra da Secretaria Especial de Proteção à Mulher, Iriny Lopes, deu prosseguimento à cisão ocorrida em seu grupo petista, a Articulação de Esquerda, e informou a auxiliares de que deve demitir funcionários de sua pasta que integram o grupo que se rebelou contra o comando da corrente. Estão ameaçadas de exoneração três petistas com altos cargos na secretaria: a subsecretária de Planejamento e Gestão Interna, Renata Rossi; a diretora de Programa da Subsecretaria de Articulação Institucional e Ações Temáticas, Luciana Mandelli; e a subsecretária de Articulação Institucional e Ações Temáticas, Angélica Fernandes. As três integram a ala dissidente da Articulação. Elas deixaram a corrente após um imbróglio envolvendo suspeitas de filiação em massa, manobras regimentais e discussão sobre a prevalência de burocratas ou de movimentos sociais na organização partidária. De um lado, estão Iriny e Valter Pomar, secretário de Relações Internacionais do PT e antigo dirigente do grupo; do outro, o ex-ministro da Pesca José Fritsch, presidente do PT de Santa Catarina, e o deputado federal Valmir Assunção (PT-BA). (Folha de S. Paulo)

Recondução de Gurgel na PGR é publicada no 'Diário Oficial' = O "Diário Oficial" da União publicou, nesta segunda-feira (8), o decreto presidencial que reconduziu Roberto Gurgel ao cargo de procurador-geral da República. O segundo mandato dura até 2013. Gurgel ficou à frente da PGR durante dois anos, até o dia 22 de julho. Ele foi indicado pela presidente Dilma Rousseff para permanecer no cargo, mas precisou ser sabatinado pelo Senado. Sua recondução foi aprovada na quarta-feira (3), na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado e, no mesmo dia, pelo plenário da Casa, por 56 votos a favor e seis contra. (Folha de S. Paulo)

PM do Acre diz que traficantes desfizeram cerco a base da Funai = O comando da Polícia Militar do Acre mandou uma guarnição de seis policiais para patrulhar a região na fronteira com o Peru onde se localiza a base da Funai (Fundação Nacional do Índio) que, segundo servidores do órgão federal, havia sido cercada por narcotraficantes armados. De acordo com o comandante da PM do Acre, coronel José dos Reis Anastácio, os policiais do Bope (Batalhão de Operações Especiais) informaram que o cerco à base da Funai não existe mais. Mas a situação no lugar não é tranquila. "Temos notícias de que os narcotraficantes estão presentes na região e existem ameaças à base da Funai", afirmou o coronel. Ele disse que a guarnição do Bope viajou no domingo (7), de avião, de Rio Branco até a cidade de Tarauacá, de onde um helicóptero levou os seis policiais para a região de selva. "Eles estão fazendo a segurança dos funcionários da Funai", afirmou o comandante da PM. (Folha de S. Paulo)



ECONOMIA
Resposta inicial à crise no país deve ser monetária, e não fiscal = O desastre de ontem nos mercados financeiros, consequência do rebaixamento da nota de crédito dos Estados Unidos, pôs a economia definitivamente na segunda rodada da crise global - a primeira começou em 2008. Com isso, segundo a totalidade dos especialistas entrevistados pelo Valor, o Banco Central brasileiro deveria interromper imediatamente o ciclo de alta dos juros e até começar a cortá-los em caso de agravamento da situação internacional. Se necessário, os depósitos compulsórios dos bancos, que hoje somam R$ 420 bilhões, também deveriam ser reduzidos para estimular o crédito. Em resumo, para os economistas, a resposta imediata deve ser monetária, e não fiscal. Em 2008, a crise trouxe a paralisia do crédito, o que os financistas chamam de empoçamento de liquidez. Hoje, a situação é diferente e não há interrupção nas operações do interbancário. Nesse quadro, não haveria motivos para respostas apressadas. (Valor Econômico)
Obama sustenta que EUA são AAA, mesmo deixando o mundo em pânico = Apesar da decisão da Standard&Poor's de rebaixar a classificação da dívida americana, aumentou a liquidez dos títulos do Tesouro dos EUA. "Sempre seremos um país AAA", reagiu o presidente Barack Obama. No Brasil, o Ibovespa chegou a cair 9,74% ao longo do pregão. (Brasil Econômico)
Bolsas sofrem fortes quedas em todo o mundo = O mercado financeiro cedeu à percepção de que a crise global vai afetar o desempenho da economia brasileira. Diante da turbulência pelo inédito rebaixamento da nota de crédito dos EUA, ajustou suas apostas para o rumo da política monetária local. No mercado de juros futuros, as taxas dos contratos de DI despencaram e passaram a projetar corte da taxa Selic já neste ano. Nas Bolsas de Valores, inclusive na Bovespa, o dia foi de quedas significativas. Em Nova York, o Dow Jones recuou 5,55%, para 10.809 pontos, e a Nasdaq caiu 6,9%, aos 2.357 pontos. O Índice Bovespa chegou a cair 9,74%, mas depois apresentou uma pequena melhora e fechou o dia em baixa de 8,08%, a maior queda desde 22 de outubro de 2008. (Valor Econômico)
Investidor foge para papéis dos EUA e derruba Bolsas = De novo, a crise: Sempre fomos e seremos nação AAA, diz Obama; Bovespa despenca. Apesar do rebaixamento da nota de risco dos EUA pela agência de risco Standard & Poor's, investidores buscaram refúgio nos títulos do Tesouro americano. A fuga de capital das Bolsas derrubou índices pelo mundo. A Bovespa caiu 8,08%, e o dólar subiu para R$ l,61. O Dow Jones teve queda de 5,6%, a mais expressiva desde 2008. Em reação ao rebaixamento da nota dos EUA, Barack Obama disse que o país ainda é um investimento seguro. "Sempre fomos e seremos nação AAA". (Folha de S. Paulo)
Por que a crise nos EUA assusta tanto = O terremoto financeiro no primeiro dia de abertura dos mercados após o rebaixamento da classificação de risco da dívida americana fez desabar as bolsas em todo o mundo e tem impacto na economia brasileira. Analistas e empresários alertam que, ainda que não sejam imediatos, os reflexos chegarão. Tomar dinheiro emprestado deverá ficar mais caro, afetando investimentos. A retração da economia mundial tende a levar a uma redução da demanda por produtos brasileiros. E o fluxo maior de dólares para países em situação mais favorável, como o Brasil, pode valorizar ainda mais o real, prejudicando as exportações. (Estado de Minas)
Alerta global - Bolsas assombram mundo = Bovespa tem a maior queda. Vale e Petrobras, juntas, perdem quase R$ 43 bilhões = No primeiro dia útil após o rebaixamento da nota dos EUA pela Standard & Poor's, os mercados financeiros derreteram. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) chegou a cair 9,73% e, por muito pouco, os negócios não foram interrompidos no circuit breaker - acionado quando a queda chega a 10%. Entre as principais bolsas do mundo, a Bovespa foi a que mais caiu: 8,08% no fim do dia. Só perdeu para a da Argentina, bem menor. O desastre arrastou bolsas na Ásia, na Europa e nos EUA. As baixas se acentuaram após o fraco discurso do presidente Obama, que se limitou a desafiar as agências de risco e dizer que o país é e sempre será "AAA". Só Vale e Petrobras perderam juntas o equivalente a R$ 43 bilhões ou duas CSNs. As empresas do império X, de Eike Batista, viram R$ 7,4 bi virarem pó. (O Globo)
Efeito bumerangue = Mesmo rebaixados, títulos do Tesouro dos EUA acabaram, por ironia, virando porto seguro para os investidores, assustados com a queda forte no resto do mundo. No Brasil, o dinheiro também migrou para renda fixa e até dólar, que foi a R$ 1,61. O ouro subiu 3,7%, batendo US$ 1.713,20 a onça troy. (O Globo)
Bolsas repetem queda de 2008 e Brasil promete aperto fiscal =Mercado global desaba após rebaixamento da nota dos EUA - Crescem dúvidas de investidores sobre capacidade das nações ricas de pagar suas dívidas - Mantega diz que País não está imune à crise e fala em 'uma surpresa fiscal a cada mês' = O mercado global viveu ontem o dia mais turbulento desde o auge da crise que eclodiu em setembro de 2008. A queda foi generalizada, com exceção dos títulos do Tesouro dos EUA e do ouro. O motivo imediato foi o rebaixamento da nota dos EUA pela agência de classificação de risco Standard & Poor's, na sexta-feira à noite. O ministro Guido Mantega (Fazenda) afirmou que "o Brasil está preparado, mas não está imune à crise". Ele disse que o governo vai apertar as contas públicas: "Prometo a cada mês uma surpresa fiscal". O foco do problema é a dúvida dos investidores sobre a capacidade dos países ricos de honrar dívidas. Em alguns casos (Espanha, Grécia, Portugal e Itália), a desconfiança aparece já no curto prazo. Em outros, o temor está no médio e no longo prazo, como nos EUA e na França. (O Estado de S. Paulo)
Crise atinge bolsas, servidor e ameaça Natal do brasileiro = O ataque de nervos que tomou conta dos mercados intriga economistas. Seria mera especulação ou investidores voltaram a levar a sério a Standard & Poor's? Sem credibilidade, desde os erros capitais que empurraram o mundo para o abismo em 2008, a companhia de classificação de risco pôs o planeta em pânico outra vez após declarar que os Estados Unidos já não seriam, pela primeira vez na história, o país mais confiável para se investir. O impacto do anúncio, feito na sexta-feira à noite, foi sentido com toda força ontem. Desde 2008, as bolsas não caíam tanto. A de São Paulo, que chegou a desabar quase 10%, fechou o dia em baixa de 8,08%. A presidente Dilma pediu cautela e observação, mas incentivou o brasileiro a não deixar de consumir, repetindo o conselho dado por Lula três anos atrás quando ocorreu o crash do subprime americano. Com receio de um Natal fraco, o comércio cobra do governo a redução da taxa de juros e a garantia de crédito. Na indústria, é grande o temor de que o setor seja afetado por uma queda no volume de encomendas. Quem também deve sentir no bolso o impacto da crise são os servidores públicos. "Pedir aumento de salário não adianta", avisou o ministro Guido Mantega, ao sair de encontro com Dilma. (Correio Braziliense)
Bolsas têm pior dia desde crise de 2008 = Apesar de o presidente americano, Barack Obama, tentar passar uma mensagem tranquilizadora, mercados do mundo inteiro desabam e fecham no vermelho. (Zero Hora)
Em um dia, Vale e Petrobras perdem R$ 42,6 bi do valor = Em um dia de pânico, a Vale e a Petrobras, as principais empresas do Ibovespa, perderam R$ 42,6 bilhões em valor de mercado. As ações da Vale caíram 9,4%; as da Petrobras, 7,8%. A Marfrig, dona da marca Seara, liderou as perdas, com queda de 24,8%. Eike Batista, que nos últimos dias perdeu R$ 2 bilhões, diz manter o sangue "geladérrimo". (Folha de S. Paulo)
EUA se preparam para crédito mais caro = O rebaixamento da dívida americana não vai causar de imediato muitos cortes na classificação de crédito de empresas dos EUA, mas a expectativa é de que haja um aumento nos custos dos empréstimos para todo tipo de companhia. A crise tem ampliado a ânsia das empresas por mais dinheiro no caixa. (Valor Econômico)

Os investidores que estão comprando mais ações na Bolsa = No dia mais nervoso para os mercados desde a crise de 2008, investidores com visão de longo prazo e fundos de ações aproveitaram para ir às compras, repetindo a estratégia das últimas semanas. Os fundos de pensão, por exemplo, não têm diminuído sua posição em bolsa. A Funcef, dos funcionários da Caixa, deve repetir a política de 2008, quando ganhou dinheiro aumentando sua carteira de ações a partir momento em que o Ibovespa caiu a 35 mil pontos. (Valor Econômico)

Fiat vai gerar 4.500 empregos em Goiana = Montadora italiana confirma hoje mudança da fábrica de Suape para a Mata Norte. Investimento vai subir de R$ 3 bilhões para R$ 4 bilhões. À tarde, haverá festa na cidade com fogos, carreata e até shows do Mastruz com leite e Saia Rodada. (Jornal do Commercio)

Rendição ao câmbio = Tradicionais setores exportadores de Santa Catarina, como a indústria têxtil, de vestuário, moveleira e de cerâmica, reagem à queda nas exportações e se transformam em importadoras de produtos acabados. (Valor Econômico)

INTERNACIONAIS
Indígenas ameaçam estrada da OAS na Bolívia = A construção por uma empresa brasileira, a OAS, de uma rodovia na Bolívia com financiamento de US$ 332 milhões do BNDES é causa de desentendimento entre o presidente Evo Morales e líderes indígenas. A estrada, que ligará os Departamentos de Cochabamba e Santa Cruz, atravessa uma reserva onde vivem cerca de 12 mil nativos. Após semanas de debates, líderes indígenas decidiram impedir que a estrada corte seu território. "Nós realizamos um encontro, uma assembleia, e a decisão foi negar a passagem do trecho 2 da estrada porque ele atenta contra a integridade do parque", disse ao Valor Adolfo Moye, que representa 64 comunidades indígenas. "Não vamos aceitar." (Valor Econômico)

Saques e incêndios põem Londres em pânico = A capital britânica viveu um novo dia de tensão, pânico e muita violência, nos mais graves distúrbios em 25 anos. Jovens mascarados saquearam lojas, incendiaram prédios e carros, e várias estações de metrô foram fechadas. Mais de 300 foram presos. Os protestos, ordenados através das redes sociais se espalharam por diferentes regiões, chegando a Hackney, a apenas seis quilômetros do parque onde será aberta a Olimpíada de 2012. Atingiram ainda mais três cidades do país. Autoridades pediram aos londrinos que evitem sair às ruas. (O Globo)
Conflitos e saques se espalham em Londres = A onda de saques e conflito com policiais iniciada sábado em Londres se espalhou ontem por toda a cidade. Lojas, casas, carros e ônibus foram incendiados. Os distúrbios começaram em Hackney, bairro perto de onde será a Olimpíada-12. Depois, eles se espalharam por outras regiões. (Folha de S. Paulo)
Londres sob o domínio do caos = Bombeiros apagam incêndio no subúrbio de Croyton: os motins e os confrontos entre manifestantes e polícia se alastram pela capital inglesa. (Correio Braziliense)

Isolamento sírio aumenta entre os países árabes = Além da Arábia Saudita, Kuait e Bahrein retiraram seus embaixadores da Síria, aumentando o isolamento do ditador Bashar Assad. Representantes do Brasil, da Índia e da África do Sul levarão amanhã a Damasco documento em que pedem o fim da violência. (Folha de S. Paulo)
Missão brasileira dialoga com Síria, mas cobra 'limite' = A missão liderada pelo Brasil para dialogar com o regime sírio desembarca hoje em Damasco para manter os canais de negociação abertos, mas deixará claro que há "limite" para a repressão, relata Jamil Chade. (O Estado de S. Paulo)

EUA anunciam doação de US$ 105 milhões ao Chifre da África = O presidente americano, Barack Obama, aprovou nesta segunda-feira a doação de US$ 105 milhões aos esforços para aliviar a crise alimentar no Chifre da África. Segundo o secretário de imprensa da Casa Branca, Jay Carney, os fundos ajudarão a providenciar comida, abrigo, água e serviços de higiene e saúde aos necessitados na região. O anúncio chega no mesmo dia em que Jill Biden, mulher do vice-presidente, Joe Biden, visita o campo de refugiados de Dadaab, no leste do Quênia. Na viagem, também está presente o funcionário dos EUA para questões humanitárias, Raj Shah, que afirmou que centenas de milhares de crianças somalis podem morrer nos próximos meses se mais ajuda não chegar à região. Cerca de 10 mil refugiados somalis fugindo da fome chegaram à Dabaad nas últimas semanas. Segundo o último relatório da sede do Acnur, em Genebra, nos primeiros quatro dias de agosto o fluxo de refugiados para Dadaab passou para 1,5 mil pessoas por dia, frente a uma média de 1,3 mil em julho. A ONU (Organização das Nações Unidas) estima que a seca e a fome que atingem a região do Chifre da África colocou mais de 11 milhões de pessoas em uma situação humanitária crítica, especialmente na Somália, onde cinco regiões foram declaradas oficialmente em estado de fome. (Associated Press)

Camareira de Nova York inicia ação civil contra Strauss-Kahn = A camareira de Nova York que acusa Dominique Strauss-Kahn de estupro abriu um processo civil nesta segunda-feira contra o ex-diretor do FMI (Fundo Monetário Internacional), acusando-o de um "ataque violento e sádico". Strauss-Kahn chegou a ser preso por causa do incidente, e teve de renunciar ao comando do FMI e abdicar de suas ambições de disputar a presidência da França. As acusações penais, no entanto, perderam força nas últimas semanas devido a dúvidas dos promotores a respeito da credibilidade da acusadora. Repetindo o que vem dizendo à imprensa, a camareira Nafissatou Diallo declarou na ação que Strauss-Kahn saiu nu do banheiro na suíte do hotel Sofitel, em 14 de maio, e a obrigou a fazer sexo oral nele. "Acreditando ser imune às leis deste país, o réu Strauss-Kahn atacou sexualmente Diallo de forma intencional, brutal e violenta, e nesse processo humilhou, degradou, violou e privou Diallo da sua dignidade como mulher", disse a peça inicial do processo. Strauss-Kahn nega as acusações, e seus advogados dizem que qualquer contato sexual com Diallo foi consensual. O processo aberto por Diallo, imigrante da África, não especifica a indenização pleiteada. (Reuters)

LOCAIS
Motorista não respeita pedestre em 1º dia de multa = A lei que dá preferência a pedestres estreou no centro com desrespeito generalizado e fiscais insuficientes. A CET não tinha o total de multas ministradas. Houve ao menos 20 atropelamentos. Kassab anunciou que, em um mês, toda a cidade será fiscalizada. (Folha de S. Paulo)
SP amplia multa por desrespeito ao pedestre = A partir de setembro, a aplicação de multas para motoristas que não pararem na faixa de pedestre será expandida para toda a cidade de São Paulo. Ontem começaram as sanções na região central. (O Estado de S. Paulo)

Técnicos do IPT avaliam risco de queda de árvores dos Jardins = Técnicos do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) começaram nesta segunda-feira a diagnosticar 2.200 árvores centenárias da região dos Jardins, na zona oeste de São Paulo. O projeto tem como objetivo preservar espécies como Tipuana, Sibipiruna, Pinheiro e Palmeira das avenidas Brigadeiro Faria Lima, Rebouças, 9 de Julho e rua Estados Unidos. Serão usados dois métodos de avaliação. Um deles, visual, vai checar o risco das árvores caírem na rede de energia. O outro, mais técnico, avalia as condições internas da árvore, como a presença de fungos, para determinar seu grau de deterioração. O estudo deve ficar pronto em janeiro de 2012. O relatório final será entregue pela Ame Jardins (associação de moradores) à prefeitura, e vai ter sugestões de manejo e poda, além do mapeamento das árvores com maior risco de queda. A AES Eletropaulo, que bancou R$ 500 mil do projeto, vai usar o estudo para programar a poda de árvores com galhos próximos da rede elétrica. (Folha de S. Paulo)

Procuradores terão de devolver parte do salário = Medida foi tomada pela Prefeitura após Estado revelar que 140 servidores recebem acima do teto de R$ 26.723,13 do funcionalismo; decreto de abril já determinava corte = A Prefeitura de São Paulo afirmou ontem que todos os servidores que receberam acima do teto do funcionalismo terão de devolver a diferença recebida a mais nos últimos quatro meses. A medida foi anunciada após o Estado revelar anteontem que 140 procuradores municipais receberam supersalários acima do limite constitucional dos ministros do Supremo Tribunal Federal (R$ 26.723,13) - um deles ganhou R$ 76,4 mil em junho. O anúncio da administração municipal é uma tentativa de se enquadrar às regras feitas pelo próprio prefeito Gilberto Kassab (sem partido) em abril, quando publicou decreto estabelecendo limites para o funcionalismo municipal. Para os procuradores, o teto estabelecido foi o do salário de desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo (R$ 24.117,62). Mas não só esse limite não havia sido aplicado até agora como nem sequer notificados sobre os ajustes dos salários os funcionários haviam sido.

Segundo a Prefeitura, os avisos vão começar a partir deste mês. A ideia é que, em setembro, não haja mais nenhum servidor ganhando acima do limite, somando tanto a remuneração fixa quanto verbas extras de gratificações e honorários advocatícios, no caso dos procuradores. As exceções serão as verbas indenizatórias, como vale transporte e auxílio-doença, e as gratificações incorporadas aos supersalários antes da aprovação da Emenda Constitucional 41, em 2003, que estabeleceu o teto dos ministros do STF para qualquer tipo de vencimento de servidores. No caso das gratificações, a manutenção dos altos contracheques vem de decisão recente do STF, que entendeu que a Constituição garante a "irredutibilidade" de direitos já garantidos. (O Estado de S. Paulo)

Terreno de igreja deve R$ 1,5 milhão de IPTU = Templo está sendo construído em área por onde deveria passar rua em Santo Amaro; Ministério Público vai investigar autorização de construção = A área em Santo Amaro, na zona sul da capital, onde está sendo construída a sede da Igreja Mundial do Poder de Deus - e por onde, por lei, deveria passar uma rua - tem dívida de R$ 1,53 milhão em Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). O débito é referente aos anos de 2003 a 2006 e 2009.

No dia 28, a promotora de Habitação e Urbanismo no Ministério Público Estadual (MPE) Cinthia Gonçalves Pereira enviou ofício pedindo explicações à administração municipal sobre o caso, que pode virar inquérito.

Em 1.º de julho, a reportagem revelou que o prefeito Gilberto Kassab (sem partido) enviou à Câmara em maio o projeto de lei 224/2011, que pede o fim do prolongamento da Rua Bruges. Hoje a rua termina em um muro que demarca a área de 14.767 metros quadrados na qual o tempo está sendo construído há mais de um ano. Mas a via deveria continuar por 135 metros até chegar à Rua Benedito Fernandes. No fim de junho, Kassab pediu urgência na votação. O projeto deve ser analisado neste semestre. "Rua desnecessária". O pedido para extinção da rua que existe por lei municipal desde 1988 surgiu após o início das obras. Kassab chegou a afirmar que "efetivamente é uma rua desnecessária". Mas não explicou por que a Prefeitura só percebeu isso após o início da construção. Questionada sobre a dívida e se será mantido o pedido para fim da continuação da Rua Bruges, a Prefeitura respondeu, por meio de nota, que "responderá os questionamentos ao Ministério Público". Já o Ministério Público informou que a Prefeitura tem até o dia 18 para dar uma resposta e explicar o motivo da permissão da construção. (O Estado de S. Paulo)

Meninas ladras: lojas criam rede ''antiarrastão'' = Comerciantes trocam celulares e dizem que, após prisões, garotas ameaçaram quebrar vitrines = Comerciantes da Vila Mariana, bairro da zona sul da capital onde têm ocorrido arrastões feitos por crianças e adolescentes, formaram ontem uma rede, acionada por telefone, para trocar informações quando o grupo estiver atacando no bairro. Na manhã de ontem, o dono de uma loja de doces, que pediu para não ser identificado, percorreu lojas na Avenida Domingos de Morais - do Largo Ana Rosa até a Estação Vila Mariana do Metrô (Linha 1-Azul) - anotando números fixos e celulares de 15 lojistas. "A intenção é não sermos pegos de surpresa. Sabendo antes, colocamos funcionários na porta para impedir a entrada do bando", explicou. Os comerciantes também temem que as vitrines dos estabelecimentos sejam quebradas com pedras arremessadas pelo grupo - as ameaças começaram a ser feitas depois que a Polícia Militar intensificou as rondas na região na semana passada. "Já passaram falando aqui que não vai ficar assim", contou a gerente de uma loja de calçados infantis, Judith Musselini. O prejuízo pode chegar a R$ 2 mil. Outra preocupação é com a fuga de clientes. "Tem gente ligando para dizer que não virá", disse. Com mais policiais na altura do Largo Ana Rosa, o grupo migrou, no fim de semana, para a Praça Doutor Teodoro de Carvalho, na altura do número 1.200 da Domingos de Morais. No sábado, sete meninas e dois meninos foram encaminhados para o 16.º Distrito Policial (Vila Clementino) após chamado. Levados a um abrigo, duas horas e meia depois já estavam na rua. Adultos. Comerciantes acreditam que há adultos por trás das ações do grupo. Segundo Mari Santos, dona de uma loja de cosméticos, depois que os jovens foram levados no sábado, uma mulher a ameaçou: "Se a polícia pegá-los novamente, vai ter pau." Ela confessa que trabalha com um pé de cabra embaixo da vitrine e com um desodorante para espirrar nas garotas. A comerciante Adriana Augusta Fidalgo Santos compartilha da desconfiança. "Parece que tem alguém vigiando e passando a informação." O presidente do Conselho de Segurança (Conseg) da Vila Mariana, Douglas Melhem Junior, diz que a suspeita nunca foi documentada. (O Estado de S. Paulo)



NEGÓCIO
= O leilão de uma das duas únicas cópias conhecidas do suposto curta-metragem pornô que Marilyn Monroe filmou antes de ficar famosa fracassou neste domingo em Buenos Aires, porque as ofertas não atingiram os US$ 500 mil estabelecidos como preço inicial.
== A maior oferta veio de um colecionador privado de Denver, Estados Unidos, que propôs pagar US$ 280 mil, mas o montante não satisfez o dono da fita, explicou Agência Efe o promotor do leilão, o espanhol Mikel Barsa.
= O curta-metragem, em preto e branco e de cerca de seis minutos de duração, é a ú
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos