Atualidades - 07/12/2011


RESUMO DOS JORNAIS
O Globo: PIB estagnado - Consumo de famílias cai e economia para de crescer
Folha de S. Paulo: Brasil para de crescer,
O Estado de S. Paulo: PIB estaciona e mercado prevê expansão inferior a 3% no ano
Correio Braziliense: Brasil cresce menos que Europa em crise
Valor Econômico: Queda geral da demanda surpreende
Estado de Minas: Sobrou para o Papai Noel
Jornal do Commercio: País tem crescimento zero









07 de dezembro de 2011
O Globo

Manchete: PIB estagnado - Consumo de famílias cai e economia para de crescer
Bancos e consultorias reduzem estimativa de expansão brasileira este ano

A economia brasileira teve crescimento zero - ficou estagnada de julho a setembro em relação ao segundo trimestre. O desempenho pífio do Produto Interno Bruto (PIB) foi puxado pela queda na indústria e em serviços. Só a agropecuária se expandiu. Pela primeira vez desde o fim de 2008, no auge da crise global, o consumo das famílias recuou. Os gastos de governo e investimento encolheram. Para os analistas, o PIB fraco é resultado da alta de juros e das medidas de restrição ao consumo adotadas até o início deste ano, quando o governo tentava segurar a inflação na meta. Com a gravidade da crise, foi preciso mudar o enfoque e fazer o país pisar no acelerador com o pacote lançado semana passada. O Brasil cresceu menos que outros emergentes, como China, Índia, Rússia e África do Sul. Bancos e consultorias reduziram previsões e apostam que o PIB crescerá menos de 3% em 2011. (Págs. 1, 27 a 31, Míriam Leitão e editorial “Desaceleração da economia foi benigna")

A mandioca salvadora
Se teve um setor no PIB que não fez feio foi a agropecuária: cresceu 3,2% de julho a setembro em relação ao trimestre anterior. O empurrãozinho veio da mandioca: mesmo com redução na área plantada, a previsão do IBGE é que sua expansão será de 7,3% no ano. Trigo, cana e café encolheram. (Págs. 1 e 29)

Foto-legenda: Quase às vias de fato
O senador Fernando Collor tenta separar os colegas José Sarney e Demóstenes Torres, em discussão acalorada sobre as manobras do governo para aprovar a DRU e evitar a votação da emenda que eleva verbas para a Saúde. (Págs. 1 e 3)
Pimentão é o vilão dos agrotóxicos
O pimentão é o alimento mais contaminado por agrotóxicos, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O morango e o pepino também têm índices elevados de defensivos agrícolas. Entre 18 alimentos testados, a batata foi a única com zero de contaminação. (Págs. 1 e 17)

Carona em obras alheias
Em dois dias, os vereadores do Rio apresentaram 9.362 emendas ao orçamento, consumindo 2.312 páginas de seis suplementos extras do Diário Oficial da Câmara. Muitas, no entanto, referem-se a obras já em andamento, iluminação de áreas com postes recém-instalados e melhorias em condomínios fechados. (Págs. 1 e 18)

Foto-legenda: Gigante a caminho do conserto
Um dos maiores graneleiros do mundo, o Vale Beijing, que corria o risco de afundar com toneladas de minério, foi rebocado para a Baía de São Marcos (MA). (Págs. 1 e 32)

Ataque a xiitas mata 63 no Afeganistão
Dois violentos atentados contra xiitas mataram 63 pessoas e trouxeram de volta a violência sectária ao Afeganistão. Tanto os EUA quanto o Talibã condenaram. (Págs. 1 e 36)

Rússia põe na prisão 870 opositores e ativistas influentes (Págs. 1 e 35)

Ex-sócio de Pimentel continua na prefeitura
Otílio Prado, sócio do hoje ministro Fernando Pimentel na Consultoria P-21 em 2009 e 2010, era assessor do petista na prefeitura, onde continua até hoje, com Márcio Lacerda. Pimentel montou a empresa assim que deixou a prefeitura e se desligou antes de virar ministro. A QA Consulting, que pagou R$ 400 mil a Pimentel, tem como sócio o filho de Otílio. (Págs. 1, 10 e 11)

Elio Gaspari: Pimentel e sua Bolsa Consultoria
Se Dilma acha que pode manter Fernando Pimentel no Ministério do Desenvolvimento, deve chamar de volta Antonio Palocci, pedindo-lhe desculpas pelo mau jeito. (Págs. 1 e 6)

Ex-secretário, do PCdoB, volta com Aldo
O comunista Waldemar de Souza, que perdeu o cargo de secretário executivo do Esporte no escândalo que derrubou o ex-ministro Orlando Silva, foi nomeado assessor do novo ministro, Aldo Rebelo. (Págs. 1 e 14)

Roberto DaMatta
Estamos fartos de testemunhar picuinhas do poder, desculpas e blindagens partidárias que secam oceanos de dinheiro. (Págs. 1 e 7)
Uma nova ordem para a música?
Abertura da loja virtual do iTunes, da Apple, e possível aprovação da PEC da música - reduzindo de 32% para zero os impostos sobre a venda de CDs e downloads - podem ser a tábua de salvação da combalida indústria fonográfica brasileira. (Págs. 1 e Segundo Caderno)
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete: Brasil para de crescer
Serviços, indústria e consumo encolhem; Dilma estuda conceder novos incentivos

A economia brasileira parou de crescer no terceiro trimestre e fez o governo reduzir a previsão de crescimento do PIB (soma dos bens e serviços do país) em 2011 de 3,8% para 3,2%. A estagnação foi recebida com alívio, pois temia-se uma retração.

Só a agropecuária teve ganho; serviços e indústria encolheram, e o consumo das famílias caiu 0,1%, primeira queda desde a crise de 2008. (Págs. 1 e Poder A4)

Análise: Vinícius Torres Freire

Crise da UE vai talhar mais o PIB. (Págs. 1 e A6)
Empresa que pagou Pimentel teve contrato na Prefeitura de BH
Uma empresa que pagou R$ 400 mil em 2009 à consultoria do ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento Industrial) manteve contrato com a Prefeitura de Belo Horizonte quando ele administrava a cidade.

Pimentel diz não haver irregularidade. A empresa, que tem como um dos donos filho do sócio do ministro, não se manifestou. (Págs. 1 e Poder A8)

Elio Gaspari

Se o ministro ficar, Palocci terá de ser chamado de volta. (Págs. 1 e Poder A8)
Código florestal pode beneficiar doadores do agronegócio
Grandes doadoras do agronegócio que terão multas ambientais suspensas com o novo Código Florestal doaram R$ 15 milhões a 50 congressistas que votam o projeto. As contribuições são de 2010, quando a reforma já estava em processo. Até o fechamento desta edição, o Senado havia aprovado o texto base, sem emendas, do código. (Págs. 1 e Poder A10)
Foto-legenda: Cerco russo
O oposicionista e ex-vice-premiê Boris Nemtsov é preso em Moscou em protesto contra o resultado da eleição parlamentar, que deu maioria a Putin; houve enfrentamento nos atos e 500 pessoas foram detidas. (Págs. 1 e Mundo A12)
Marta deixa os cultos fora da lei anti-homofobia
Relatora do projeto que criminaliza homofobia, Marta Suplicy (PT-SP) fez concessões para aprová-lo em comissão do Senado. A lei não se aplicará a ato "pacífico" baseado na "liberdade de crença e de religião", como os cultos. (Págs. 1 e Cotidiano C3)
Atentados em dia religioso matam ao menos 63 xiitas no Afeganistão (Págs. 1 e Mundo A14)

28% dos vegetais contêm agrotóxico errado ou demais
Das 2.488 amostras de vegetais analisadas pela Anvisa no país, em 2010, 28% apresentam resíduos de agrotóxicos em níveis inaceitáveis ou substancias não aprovadas para o produto.

O levantamento foi feito em todos os Estados, exceto em São Paulo, que não quis participar da avaliação.

A ingestão prolongada de alimentos com agrotóxicos pode causal câncer, problemas neurológicos e malformação fetal. (Págs. 1 e Cotidiano C1)
Governo vai criar cadastro nacional sobre violência
O governo federal vai implantar um sistema nacional de estatísticas criminais e obrigará os Estados a abastecer o banco de dados.

Quem se recusar ou informar de maneira incorreta terá bloqueado o repasse de verbas de segurança de cerca de R$ 1 bilhão ao ano. A medida deve ser assinada hoje por Dilma. (Págs. 1 e Cotidiano C7)
Comissão do Senado aprova Rosa Weber para o Supremo (Págs. 1 e Poder A9)

Editoriais
Leia "Crescimento zero", sobre o resultado do PIB e as perspectivas para a economia, e "Multas inúteis", acerca de punições por infrações ambientais. (Págs. 1 e Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: PIB estaciona e mercado prevê expansão inferior a 3% no ano
Contenção do crédito e crise externa afetam consumo e serviços; crescimento de 2012 também está ameaçado

O PIB brasileiro estacionou no terceiro trimestre, com crescimento zero em relação ao segundo. Em comparação com igual período de 2010, o crescimento foi de 2,1%, o pior resultado desde a queda de 1,5% no terceiro trimestre de 2009, em plena crise internacional. Como esperado, a indústria teve queda (0,9%), e a surpresa ficou por conta do recuo dos serviços (0,3%) e da desaceleração do consumo das famílias, que tem sido o suporte da economia brasileira. Com isso, para analistas, ficou bem difícil o PIB crescer 3% em 2011, porque o último trimestre deve repetir um desempenho fraco, abaixo de 0,5%. Alguns acham difícil chegar a 3% também em 2012. A alta dos juros e as medidas de contenção de crédito desde o final do ano passado aliaram-se ao impacto da crise internacional para provocar a parada da economia. “No momento, não há medidas que o governo pense em tomar, mas vamos seguir na f1exibilização do crédito", afirmou o ministro da Fazenda, Guido Mantega. (Págs. 1 e Economia B1 e B3 a B8)

Análises

Rolf Kuntz

O desafio é o longo prazo. (Págs. 1 e Economia B8)

Claudio Frischtak

Um novo cenário em 2012. (Págs. 1 e Economia B3)

Brasil apresenta o pior resultado entre os Brics

A economia do País (alta de 2,1% no terceiro trimestre ante igual período de 2010), ficou abaixo de China (9,1%); Índia (6,9%), Rússia (4,8%) e África do Sul (3,1%). O desempenho brasileiro foi igual ao da Europa em crise. (Págs. 1 e Economia B6)
Foto-legenda: R$ 327.000.000
Esse foi o custo da nova sede do Tribunal Superior Eleitoral, que será inaugurada dia 15, em Brasília: o TSE diz que a obra, de Niemeyer, é necessária por causa do aumento da demanda. (Págs. 1 e Nacional A8)

Parecer da Lei da Copa limita meia entrada e libera álcool
Parecer do deputado Vicente Cândido (PT-SP) sobre a Lei Geral da Copa libera a venda de álcool em estádios não só no evento da Fifa, mas também em torneios nacionais. O texto limita a uma cota social o direito a meia entrada para estudantes, idosos, índios e beneficiários de programas de transferência de renda, como queria a Fifa. A votação será na semana que vem. (Págs. 1 e Esportes E1)

Kassab paga R$ 40 mi por obra ainda por fazer (Págs. 1 e Cidades C1)

Senado aprova ministra do STF após seis horas (Págs. 1 e Nacional A8)

Hillary diz que eleição na Rússia não foi justa (Págs. 1 e Internacional A12)

Dora Kramer
Antídoto à mesmice

As prévias, vistas como um sinal negativo de desorganização partidária, poderiam significar uma saída para o latifúndio improdutivo da oposição. (Págs. 1 e Nacional A6)

Roberto DaMatta
Ética e poder = papéis e atores

Não precisamos de pais e mães, exigimos um governo de autoridades responsáveis, conscientes dos seus papéis e enredos. (Págs. 1 e Caderno 2, D10)

Notas & Informações
A produção entravada

É preciso fazer mais pela indústria de transformação, abalada pela concorrência internacional. (Págs. 1 e A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Correio Braziliense

Manchete: Brasil cresce menos que Europa em crise
PIB do terceiro trimestre só não foi negativo por causa do agronegócio

Depois de mais de dois anos de crescimento contínuo, a economia brasileira parou. Do segundo para o terceiro trimestre, a taxa zero de crescimento do PIB, a soma das riquezas produzidas no país, foi menor que a da combalida União Europeia (0,2%), dos EUA (0,5%) e até do Japão (1,5%), destruído por um terremoto seguido de tsunami e de desastre nuclear. Além da crise global, especialistas atribuem o PIB zero ao arrocho no crédito e à forte elevação dos juros perpetrados pelo Banco Central para segurar a inflação. O Brasil só não deu marcha a ré porque o agronegócio, único setor a andar para a frente, avançou 3,2% em relação ao segundo trimestre. (Págs. 1, 9 a 12, Entrelinhas, 4 e Visão do Correio, 14)

Prêmio e protesto
Com os braços pintados contra a construção de Belo Monte, Ana Gabriela recebeu o Jovem Cientista de Dilma Rousseff. (Págs. 1 e 8)

Contratos suspeitos de R$ 44 milhões no INEP (Págs. 1 e 2)

Foto-legenda: Tempo quente no Senado
Apartados por Fernando Collor, os senadores Demóstenes Torres e José Sarney trocaram palavras ríspidas por conta da votação antecipada da DRU, prevista para amanhã. O líder do DEM acusou Sarney de agir "por motivo torpe". Indignado, o presidente do Senado desceu ao plenário. "O senhor me respeite", exigiu. Ao final, o democrata pediu desculpas. (Págs. 1 e 4)

Atentado: Terror mata 56 xiitas no Afeganistão
Nenhum grupo assumiu a autoria do ataque suicida que provocou a morte de pelo menos 56 pessoas, entre elas várias crianças, e deixou quase 200 feridos em Cabul. Um homem-bomba detonou os explosivos durante uma procissão, próximo a um santuário muçulmano. (Págs. 1 e 16)
Multa pesada contra celular
Congresso Nacional discute punições maiores para quem faz ligações ou manda mensagens enquanto dirige. (Págs. 1 e 21)
------------------------------------------------------------------------------------
Valor Econômico

Manchete: Queda geral da demanda surpreende
As restrições à expansão doméstica e as expectativas negativas sobre a crise na Europa se disseminaram por toda a economia a ponto de paralisá-la no terceiro trimestre - o Produto Interno Bruto não cresceu nada em relação ao trimestre anterior.

Pela primeira vez desde o auge do impacto da crise financeira mundial, na virada de 2008 para 2009, houve retração em todos os componentes do consumo interno: famílias, governo e investimento. O consumo das famílias recuou 0,1%, os investimentos, 0,2% e os gastos do governo, 0,7%. A combinação desses números desfavoráveis torna bem mais difícil chegar a um crescimento de 3,5% em 2012 e improvável a possibilidade de uma expansão superior a 4%, como desejado pelo governo. (Págs. 1, A3, A4 e C2)
Mercado menospreza dados
O mercado de juros futuros deu pouca importância para a estagnação econômica mostrada pelos dados do PIB do terceiro trimestre. Os contratos de DI negociados na BM&F, que sinalizam a expectativa de bancos e corretoras para o comportamento da taxa de juros básica (a Selic), fecharam em leve queda, mas não o suficiente para recuperar o piso atingido na semana passada.

A partir das informações sobre o comportamento bastante fraco da atividade - que assustaram menos pelo número, já esperado, e mais pelo detalhamento dos dados, que mostraram queda no consumo e no investimento -, a percepção é de que a pressão sobre o Banco Central para que reduza ainda mais o juro será maior no próximo ano. O mercado chegou até a ensaiar esse movimento, mas as apostas não tiveram força para sustentar essa visão, ao menos por enquanto. (Págs. 1 e C2)

Investimento público é a saída
A presidente Dilma Rousseff não foi surpreendida pelos dados divulgados ontem pelo IBGE. Ela havia sido avisada pela área econômica, um mês atrás, de que o PIB encerrara o terceiro trimestre com expansão em torno de zero, mas com a ressalva de que uma reação, ainda que moderada, está prevista para o período entre outubro e dezembro.

A redução dos juros e o aumento do salário mínimo para R$ 625 em janeiro, além de uma recuperação do investimento público, fundamentam as previsões do governo sobre as perspectivas melhores para 2012. No Ministério da Fazenda trabalha-se para viabilizar, no próximo exercício, um crescimento de 4%, com viés de alta para até 5%. Fará toda a diferença, segundo os técnicos da Fazenda, a ampliação dos investimentos públicos, sacrificados neste ano em nome da meta de superávit primário de 3,1% do PIB. (Págs. 1 e A4)
Presídios bem-vindos no interior
Ter um presídio no município não é necessariamente um mau negócio. O Valor visitou quatro das nove cidades da região da Nova Alta Paulista, onde num raio de 90 quilômetros foram instaladas 11 unidades prisionais a partir de 1998. Pracinha, que tinha 1.431 habitantes antes do presídio, em 2000, ganhou mais de 1.400 novos moradores e alguns empregos de agente penitenciário com salário de R$ 2 mil, nada mal para a região. Uma pesquisa feita na Unicamp mostra que os presídios provocaram impacto demográfico, econômico e social na região. O movimento de visitas aos presos aumenta o faturamento de bares, restaurantes e hotéis. (Págs. 1 e A14)

Controle da Rede Energia está à venda
O acionista controlador do grupo Rede Energia, Jorge Queiroz, colocou à venda sua parte na empresa. Os interessados têm até o fim da semana para analisar a companhia e fazer suas propostas ao Banco Bradesco de Investimento (BBI), contratado para a operação. O Rede tem entre seus acionistas o Fundo de Investimento do FGTS, que fez um aporte de cerca de R$ 500 milhões há pouco mais de um ano, e o BNDESPar, que transformou parte da dívida da companhia em ações. Dono da concessão de distribuidoras de energia em sete Estados, o grupo tem prejuízos frequentes e endividamento elevado. O balanço do terceiro trimestre mostra vencimentos de curto prazo da ordem de R$ 2 bilhões, além de R$ 5 bilhões em obrigações de longo prazo. (Págs. 1 e D4)

Proteção ambiental trava projeto de irrigação em MG
Três anos depois que uma decisão presidencial determinou que um tipo de vegetação chamada Mata Seca (cujo nome científico é mata decidual e semidecidual) recebesse a mesma proteção da Mata Atlântica, o Projeto Jaíba de irrigação enfrenta dificuldades para se expandir por conta de um impasse ambiental.

Oásis irrigado com água do São Francisco no Semiárido do extremo norte mineiro para plantação especialmente de frutas, o projeto abriga amplos lotes de Mata Seca, agora convertidos em áreas de proteção ambiental. A nova legislação contribuiu para deixar uma infraestrutura cara de irrigação operando a meia carga. (Págs. 1 e B14)
Bancos do país buscam cliente europeu
Bancos brasileiros estão aproveitando a crise na Europa para ganhar clientes estrangeiros e aumentar o volume de recursos sob gestão. Depois de o Safra ter comprado o banco suíço Sarasin, o BTG Pactual planeja ampliar as operações na Europa e montou uma equipe em Londres para cuidar só da gestão de fortunas de europeus. Espera ganhar novos clientes com recursos financeiros a partir de US$ 20 milhões, principalmente da Espanha, Portugal e Leste Europeu, diz Rogério Pessoa, diretor do BTG Pactual. Com o rebaixamento do rating dos bancos europeus, Pessoa já vê uma migração de recursos de clientes "private" para instituições brasileiras. O Itaú Unibanco busca a ampliação da carteira de clientes latino-americanos. O banco tem US$ 16 bilhões sob gestão na América Latina. (Págs. 1 e D1)

Suspeita sobre Embraer veio da Argentina
A investigação aberta por autoridades americanas contra a Embraer, divulgada pela empresa em novembro, começou na Argentina há pouco mais de um ano. Em setembro de 2010, a companhia foi informada de que era investigada pelo suposto pagamento de suborno a funcionários públicos argentinos que atuaram na negociação de compra de 20 aviões comerciais pela estatal Aerolíneas Argentinas. A Embraer está sujeita à lei U.S. Foreign Corrupt Practices Act, dos EUA, por ter operações em três cidades americanas e ADRs na Bolsa de Nova York. Procurada, a empresa informou que a investigação corre sob sigilo e que não tem comentários adicionais a fazer. (Págs. 1 e B9)
Novo boom do petróleo nos EUA "rouba" água da agropecuária (Págs. 1 e B11)

Anvisa quer ampliar restrições à venda de cigarros, diz Barbano (Págs. 1 e B7)

Petroleiras sob vigilância
O Ministério Público Federal quer que os órgãos ambientais exerçam uma fiscalização mais efetiva sobre as companhias de petróleo. Para o MPF, Ibama e ANP são "reféns" das informações das próprias empresas. (Págs. 1 e A2)

Ferroanel de São Paulo
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) pretende divulgar em janeiro o projeto do Ferroanel de São Paulo. A intenção é que a obra, prevista no PAC, esteja concluída até 2015. (Págs. 1 e A2)

Viagens mais caras
A América Latina, especialmente o Brasil, deverá ter os maiores reajustes de preços em passagens aéreas, diárias de hotéis e locação de carros no mundo em 2012, segundo a Carlson Wagonlit Travel (CWT), líder global em turismo corporativo. (Págs. 1, B1 e B4)
Telefônica "acaba" em abril de 2012
Presente no Brasil desde a privatização, a marca Telefônica vai sair de cena em abril de 2012, quando a companhia espanhola passará a adotar o nome e a identidade visual da Vivo em todos os seus serviços no país. (Págs. 1 e B3) 
Ford aposta em carro mundial
A Ford anunciou ontem um aporte de RS 800 milhões no fábrica de São Bernardo do Campo (SP) na nova linha de montagem que irá produzir um carro de plataforma global. Os detalhes do projeto não foram revelados. (Págs. 1 e B8)

Fisco reduz declarações de empresas
Para facilitar a vida das empresas e da administração, a Receita Federal pretende eliminar, gradativamente, oito declarações fiscais obrigatórias às empresas, incluindo a do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica. (Págs. 1 e E1)

Dano moral nas estradas
As más condições de conservação das rodovias federais têm tornado cada vez mais comum a condenação do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) ao pagamento de danos materiais e morais a vítimas de acidentes. (Págs. 1 e E1)
Ideias
Cristiano Romero

A unificação das regras de aposentadoria é, além de uma medida econômica relevante, uma questão de justiça social. (Págs. 1 e A2)

Ideias
Martin Wolf

Se a Alemanha se recusa a reconhecer a natureza da crise, a zona do euro não tem a menor chance de remediá-la. (Págs. 1 e Al3)
------------------------------------------------------------------------------------
Estado de Minas

Manchete: Sobrou para o Papai Noel
Alta do consumo interno com as festas de fim de ano é a aposta para fazer a economia, estagnada, voltar a crescer

Caberá ao Bom Velhinho alavancar no encerramento do ano o PIB brasileiro, que teve crescimento zero no terceiro trimestre. Foi projetando isso que o governo lançou pacote de incentivo ao crédito e às compras. Para a maioria dos economistas, o comércio e o consumo das famílias, que recuaram 1% e 0,1%, respectivamente, entre julho e setembro, tornarão a subir no último trimestre, puxando o PIB. Levantamento da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-BH) mostra que 61,77% dos comerciantes acreditam em vendas superiores às do ano passado neste Natal. (Págs. 1, 12 e 13)
Licitações do MEC sob suspeita de fraude
Empresa ligada a ex-funcionário do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), investigada pelo TCU, venceu cinco pregões, que somam mais de R$ 100 milhões este ano. Resultado da última concorrência foi antecipado pela reportagem do Estado de Minas, que recebeu informações de que a STI System seria a ganhadora. (Págs. 1 e 3)
Congresso: Senado aprova texto do Código Florestal
Projeto que modifica áreas de preservação e multas a quem desmatou será votado na Câmara. (Págs. 1 e 4)
O legítimo campeão da PUC Minas
Diferentemente do que havia informado a universidade, o primeiro lugar geral do vestibular foi de Estêvão Leite Andrade Junqueira, aprovado para engenharia química. A PUC lamentou o equívoco na divulgação dos mais bem colocados. (Págs. 1 e 20)
Cobrança de dívidas: Produtores de ferro-gusa de Minas ganham ação contra empresa suíça (Págs. 1 e 16)

------------------------------------------------------------------------------------
Jornal do Commercio

Manchete: País tem crescimento zero
PIB nacional (total de bens e serviços produzidos) teve evolução nula no terceiro trimestre, em comparação com o anterior. Foi o mesmo resultado da Espanha, um dos piores da zona do euro, e o mais fraco dos Brics, grupo dos países emergentes. (Págs. 1 e Economia 5)
Orla pode se livrar de eventos
Câmara aprova proibição de atos na Avenida Boa Viagem. Mas se lei for sancionada, réveillon será mantido. (Págs. 1 e Cidades 2)
Listão da UPE só vai sair no próximo dia 21
Dos 39.345 feras inscritos no vestibular tradicional, 7.762 faltaram às provas. (Págs. 1 e Cidades 3)
Força-tarefa agiliza amparo a Buíque
Famílias dos agricultores mortos em acidente terão assistência em diversas frentes. (Págs. 1 e Cidades 4)
Mais um investimento para Suape
Empresa paulista especializada na fabricação de pás para turbinas eólicas vai construir uma fábrica de R$ 100 milhões. (Págs. 1 e Economia 2)
Novo presidente da Chesf que reforçar pesquisa (Págs. 1, 5 e Economia, 4)

Verba extra para tentar conter o avanço da dengue (Págs. 1 e Cidades 3)

Pimentão é o vegetal com mais agrotóxico (Págs. 1 e 7)

------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora

Manchete: Código Florestal passa pelo Senado
Após sete meses de negociação e cinco horas de votação, senadores mudam regras para a relação entre o campo e o meio ambiente. Projeto segue para a Câmara. (Págs. 1 e 18)

Texto ameniza punição para quem desmatou. (Págs. 1 e 18)
Atentados no Afeganistão: Flagrantes do Terror
Ataques em três cidades em dia sagrado matam pelo menos 60 e põem em xeque retirada dos EUA.

Fotógrafo que registrou o horror fala a ZH. (Págs. 1, 22 e 23)


Gaúchas sob pressão
Cobrança por sucesso profissional e pela aparência caracteriza mulheres do RS, diz pesquisa. (Págs. 1, 4 e 5)

O documento: Demora inflaciona a obra do Beira-Rio
Prévia do contrato com construtora apresenta reajuste de R$ 40 milhões na reforma. (Págs. 1 e Esportes)

Nova no STF: Seis horas e meia de sabatina
Gaúcha Rosa Weber foi questionada por 23 senadores. (Págs. 1 e 6)


Marcha lenta PIB indica economia estacionada (Págs. 1 e 14)

------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico

Manchete: PIB zero aponta que freada na economia foi exagerada
Estagnação do terceiro trimestre acende farol amarelo no governo e leva Mantega a admitir que o crescimento de 2011 vai ficar perto de 3%. Otimista, ministro acha que a retomada acontecerá a partir de agora, pois “a desaceleração é passageira”. (Págs. 1 e 4)
Ford e o investimento de R$ 800 mi no ABC
Dinheiro será destinado para produção de carro global na fábrica de São Bernardo do Campo. Nome do modelo é mantido em sigilo. (Págs. 1 e 22)
Exclusivo
O espanhol Enrique Bañuelos prepara investida para controlar a Vanguarda Agro, antiga Brasil Ecodiesel. (Págs. 1 e 16)
BRASIL ECONÔMICO premia os Líderes do Brasil de 2011
Em parceria com o Lide e o SBT, as 60 personalidades que mais se destacaram no país serão homenageadas hoje em São Paulo.

Falta de navios pode prejudicar exportação de óleo do pré-sal
Dificuldade para construção de embarcações cria gargalos que devem atrasar entrada do país no clube dos exportadores de petróleo. (Págs. 1 e 6)

Brasil Insurance negocia compra de 60 corretoras de seguros
Companhia adquiriu sete concorrentes por R$ 145 milhões, quer comprar mais duas este mês e tem R$ 200 milhões para 2012. (Págs. 1 e 28)

UE apressa acordo sobre a dívida
Com a ameaça da S&P de rebaixar nota de 15 países, solução para a crise deve sair esta semana. (Págs. 1 e 36)

Made in China tem 27 subsídios
Abit mapeia as vantagens fiscais que reduzem em 30% os custos dos produtos têxteis chineses. (Págs. 1 e 8)
Brasilprev diversifica investimentos
Empresa de previdência privada do BB já tem R$ 500 milhões em letras financeiras. (Págs. 1 e 32)
------------------------------------------------------------------------------------
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016