Comparação Internacional - Banda Larga Móvel e Fixa

Juntamente com a telefonia móvel, o serviço de banda larga (que, na definição original proposta pela União Internacional de Telecomunicações – UIT, consiste na oferta de transmissão e recepção de dados com velocidades superiores a 64 kbps[1]) conforma um dos serviços que mais se desenvolveu no mundo recentemente. A definição de banda larga é um pouco divergente, uma vez que as tecnologias estão evoluindo e elevando as velocidades mínimas de transmissão. Desde 2010, o Federal Communications Commission – FCC considera banda larga como sendo o serviço de transmissão de dados com taxas mínimas de 4 mbps de download e 1 mbps de Upload (antes disso o conceito de banda larga consistia em serviço de transmissão de dados com velocidade superior a 200 kbps em qualquer direção).
Segundo a UIT, hoje a banda larga pode compreender conexões à internet que variam de cinco vezes até 2.000 vezes mais rápido do que as tecnologias anteriores de internet dial-up (64kbps). No entanto, o termo banda larga não se refere a uma determinada velocidade ou a um serviço específico. Banda larga combina capacidade de conexão e velocidade. A Recomendação I.113 da UIT Setor da Normalização define banda larga como uma “capacidade de transmissão que é mais rápida do que a taxa principal da rede digital de serviços integrados (RDSI) em 1,5 ou 2,0 Megabits por segundo (Mbps)” [ITU, 2014]. Já a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) utiliza como critério de banda larga acessos com velocidades superiores a 256 kbps [OCDE, 2010].
Segundo o Secretário Geral da UIT, Dr Hamadoun I. Touré, no “(...) século 21, a preços acessíveis, redes de banda larga ubíqua serão tão críticas para a prosperidade econômica e social como as redes de transportes, água e energia. Não só a banda larga proporcionará benefícios em todos os setores da sociedade, mas também ajudará a promover o desenvolvimento social e econômico, e será fundamental para nos ajudar a conseguir cumprir os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.” [TOURÉ, 2014]. 
De fato, o mercado de banda larga fixa, por exemplo, mais que triplicou nos últimos nove anos. De um total de 160 milhões de acessos fixos em 2004[2], sendo 25 acessos por 1.000 habitantes, o mercado global terminou o ano de 2013 com uma estimativa total de aproximadamente 673 milhões de acessos fixos[3], com 95,3 acessos por 1.000 habitantes[4]. Isso permite dizer que o mercado global de internet fixa, ao menos no que tange a número de acessos, atingiu um patamar de mercado em desenvolvimento, ainda que não esteja presente em todos os domicílios no mundo, em especial em países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. Segue abaixo previsão[5] de crescimento de acessos em banda larga fixa considerando o critério de banda larga como acessos com velocidades superiores a 256 kbps em qualquer das direções de tráfego de dados (download ou upload).
Figura 1 – Projeção de acessos de banda larga fixa no mundo (em milhões)

 

Para o mercado de banda larga móvel, verifica-se um cenário ainda mais expressivo de crescimento. De um total de 268 milhões de acessos móveis em 2007[6], sendo 25 acessos por 1.000 habitantes, o mercado global terminou o ano de 2013 com uma estimativa total de aproximadamente 1.930 milhões de acessos móveis em banda larga[7]. Isso permite dizer que o mercado global de internet móvel tem uma facilidade de adoção muito maior que as redes fixas. Abaixo segue previsão de crescimento de acessos em banda larga móvel e fixa (ainda é ilustrado no gráfico o crescimento de assinantes de telefonia móvel e de dispositivos móveis, tablets, laptops e roteadores móveis).
Figura 2 – Projeção de acessos (em bilhões)







 

Acessos Móveis

Banda Larga Móvel



 Banda Larga Fixa




Dispositivos móveis no Mundo (Pcs portáteis, tablets, roteadores móveis).
Mais que o crescimento acentuado do número de acessos, destaca-se o desenvolvimento da própria utilização dos acessos, passando de um perfil de mera telefonia móvel para um conceito de telecomunicação móvel. Isso deve-se ao próprio desenvolvimento e à sofisticação dos acessos em si, que passaram a oferecer aplicações e interfaces para permitir aos usuários uma vasta gama de formas de interação e comunicação.
Nesse cenário, o mercado brasileiro se apresenta de forma destacada. Segundo a UIT, em 2012 o mercado brasileiro era de aproximadamente 73 milhões de acessos de banda larga móvel, o que equivalia a 4,88% do mercado mundial[8], cujo valor absoluto atingiu 1,5 bilhão de acessos. Isso colocou o Brasil na 6ª posição global como maior mercado de telecomunicação móvel em valores absolutos, atrás apenas de EUA, China, Japão, Indonésia e Rússia.
Os gráficos abaixo mostram os principais mercados internacionais em número de acessos de banda larga fixa e móvel no ano de 2012. O somatório da participação destes 20 principais mercados perfez 82,4% do mercado global em 2012. Considerados os acessos fixos e os móveis, o Brasil ocupa a 9ª posição no ranking mundial, atrás de China, EUA, Japão, Alemanha, França, Reino Unido Rússia e Coreia do Sul.
Figura 3 – Distribuição de acessos de banda larga fixa e móvel por país
Figura 4 – Distribuição dos acessos de banda larga fixa
Figura 5 – Distribuição dos acessos de banda larga móvel
Mais de 673 milhões de acessos de banda larga fixa, em 2013, estavam ligados à rede ao redor do mundo, mas a velocidade de acesso variava desde dial-up até conexões de fibra óptica. Abaixo pode-se observar a média das velocidades de banda larga anunciadas nos países membros da OCDE.




[1] A rede de banda larga é definida como uma rede capaz de transmitir sinais com taxa de bits elevada. Para uma rede de banda base, utiliza-se apenas um canal de transmissão, enquanto uma rede de banda larga pode utilizar vários canais de transmissão. Sendo um canal de transmissão igual a 64 Kbps, qualquer rede de transmissão de 128 Kbps ou superior é uma rede de banda larga. Esta é uma definição UIT.
[4] Fonte: ITU World Telecommunication/ICT Indicators database. Disponível em: http://point-topic.com/free-analysis/global-broadband-subscriber-numbers-q4-2013/
[7] Fonte: Ericsson Mobile Report novembro 2013. Disponível em: http://www.ericsson.com/res/docs/2013/ericsson-mobility-report-november-2013.pdf
[8] A UIT apresentou o valor de 248.323.703 acessos para o Brasil, segundo o ICT Indicators database. De fato o País terminou o ano de 2012 com 261.807.903 de acessos, segundo os registros da Anatel. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016