Atualidades 31/03/2015

“Seeking nothing, emulating nothing, breathing gently, he moved in an atmosphere of imperishable calm, impresihable light, inviolable peace.” 
― Hermann Hesse, Siddhartha



O Globo
Manchete : Escândalo da Petrobras contamina BNDES
Dilma diz que Levy foi ‘mal interpretado’
Acordo com o Rio abre caminho para adiar votação de novo indexador de dívidas (Pág. 6)
Diárias inflam nos tribunais superiores
Cunha volta a ser alvo de protestos
PT ‘sofre por suas virtudes’
Greve afeta voos para Argentina
Ilimar Franco - A fábrica dos partidos nanicos
Merval Pereira - Manifestação x ocupação
Míriam Leitão -Joga pedra no Levy
Editoriais - Por dentro da caixa-preta da Receita Federal
-----------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
Manchete : Cerca de 20 mil sem acesso ao Fies no RS
A rotina de Cunha
Levy propõe acordo sobre dívidas estaduais
Operação Lava-Jato - Delegado diz que obras em estradas podem ser novo alvo (Notícias | 14)
Frigoríficos do Estado em alerta
------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico
Manchete : BNDES perde R$ 2 bi com Petrobras, mas lucro cresce 5,4%
Banzé desfeito
Dilma diz que reformas só saem depois do ajuste
Índice capta alta do dólar, que ainda terá efeito maior
Governo adia a mudança no ministério 
Olhar do Planalto - DILMA ESCALA TIME DA COMUNICAÇÃO
Relatório D.C. - OS EMERGENTES PERDEM A PACIÊNCIA
Para os Estados Unidos, a criação do Banco Asiático de Investimento e Infra-estrutura (AIIB em inglês) gera um constrangimento: seus tradicionais aliados europeus aderiram ao banco, que é liderado por um dos maiores críticos ao sistema de Bretton Woods, do Banco Mundial e o FMI. (Pág. 9)
O mercado como ele é... - AFINAÇÃO CONTRA O "BANZÉ"
Ponto Final - "HOMEM DO ANO" É UM PERIGO
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
Manchete : Em crise, Petrobras pede alta de 13% em salário de diretores
BNDES registra perda de R$ 2,6 bi com derrocada de estatal petrolífera (Mercado B7)
Presidente afirma que fala de Levy foi mal interpretada
Empresas pagaram propina no exterior, diz delator à Justiça
Dilma diminui em 72% gastos federais contra desmatamento
Líder de protestos diz que almeja o apoio da oposição ao impeachment (Poder A7)
Após ameaças, cubana do Mais Médicos foge para os EUA
Unicamp avança para aplicar cota racial na pós-graduação (Cotidiano C3)
Painel - Fazenda propõe a Renan acordo para dívida dos Estados
Editoriais - Leia “Receita de fraude”, acerca de esquema bilionário de sonegação fiscal, e “MEC, um desafio e tanto”, a respeito de novo ministro da Educação. (Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------
31 de março de 2015
O Globo

Manchete : Escândalo da Petrobras contamina BNDES
Banco tem prejuízo de R$ 2,6 bilhões com queda nas ações da estatal

Para analistas, instituição sofre duplamente, por ser ao mesmo tempo credora e acionista da companhia

Dono de uma participação de 17,24% na Petrobras, o BNDES informou, no seu balanço de 2014, perda de R$ 2,6 bilhões com a queda nas ações da estatal. Como a petrolífera ainda não publicou seus resultados auditados, os números do BNDES foram aprovados com ressalva pelo auditor independente, a KPMG. Como forma de recuperar prejuízos com corrupção, o governo estuda direcionar parte da receita que as empreiteiras envolvidas na Lava-Jato têm em negócios como aeroportos para indenizar a Petrobras. Em Nova York, a ação coletiva contra a empresa pede a inclusão de seus ex-presidentes Graça Foster e José Sérgio Gabrielli como réus. (Pág. 17)

Dilma diz que Levy foi ‘mal interpretado’
Para ministro, ‘fizeram um banzé’ de suas declarações

Após o ministro Joaquim Levy ter afirmado, em evento privado na semana passada, que a presidente Dilma Rousseff tem o desejo genuíno de acertar, mas nem sempre “da maneira mais efetiva” , ela disse ontem que ele foi “mal interpretado”. Segundo Dilma, o ministro “explicou exaustivamente” suas afirmações. Levy, por sua vez, disse que fizeram “um banzé” de parte menos relevante de suas declarações. No Pará, ao defender o ajuste fiscal, Dilma comparou a crise econômica mundial e seus efeitos no Brasil a uma “tsunami”. Há alguns anos, o então presidente Lula chamou-a de “marolinha”. (Pág. 19 e Míriam Leitão)

Acordo com o Rio abre caminho para adiar votação de novo indexador de dívidas (Pág. 6)


Diárias inflam nos tribunais superiores
O reajuste de até 83% das diárias pagas aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), em janeiro, gerou efeito cascata nos tribunais superiores, a partir de fevereiro. O valor de uma diária para viagem internacional no Superior Tribunal de Justiça (STJ) subiu 70%. Na cúpula do Judiciário, a Semana Santa começou desde ontem. (Pág. 3)
Cunha volt a a ser alvo de protestos
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, voltou a ser vaiado, desta vez por 20 minutos, por manifestantes feministas e de organizações LGBT, no Rio Grande do Sul. Cunha se disse “indiferente” ao protesto. (Pág. 5)
PT ‘sofre por suas virtudes’
Os 27 diretórios estaduais do PT aprovaram ontem um manifesto afirmando que o partido sofre um “cerco e aniquilamento” da oposição por conta de suas “virtudes” e não por seus erros. (Pág. 6)
Greve afeta voos para Argentina
Pelo menos 23 voos entre Brasil e Argentina, marcados para ontem e hoje, foram cancelados por causa da greve geral no setor de transportes feita por sindicalistas argentinos. (Pág. 21)
Ilimar Franco
A fábrica dos partidos nanicos

O Fundo Partidário virou uma indústria de partidos nanicos. Vem aí o PL, do ministro Gilberto Kassab, e o PMP, de Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão. Um ex-deputado, que já foi de uma sigla nanica, explica que o dinheiro do Fundo é usado por deputados e senadores, na condição de presidentes regionais de uma legenda, para manter comitês (sedes), contratar parentes (funcionários) e cabos eleitorais. Ele diz que o deputado de uma agremiação nanica não tem peso político mas está com a vida ganha. (Pág. 2)

Merval Pereira
Manifestação x ocupação

As manifestações políticas que têm marcado os últimos dias, tanto as de organizações sociais que apoiam o governo quanto aquelas que puseram 2 milhões de pessoas nas ruas do país contra Dilma e o PT, estão sendo analisadas pelo Estado Maior do Exército sem que as motivações de cada uma sejam fatores especialmente perseguidos, mas apenas suas consequências na sociedade. (Pág. 4)

Míriam Leitão
Joga pedra no Levy

Para a difícil missão de pôr no lugar a bagunça feita na economia, o governo escalou um ministro da Fazenda que pensa completamente diferente da crença econômica que a presidente exibiu no prime ir o mandato. Agora o manda para missões impossíveis no Congresso, como a de tentar impedir que entre em vigor uma lei sancionada. Se tu do der errado, o PT já sabe o que fazer: joga pedra no Levy. (Pág. 18)

Editoriais
Por dentro da caixa-preta da Receita Federal

Depois do petrolão, surge o golpe da 'venda ' do perdão de multas junto ao Fisco, outro caso típico de país em que o Estado é obeso e tem grande ingerência na sociedade (Pág. 14)

Nova realidade de preços desafia modelo petrolífero

Excesso de produção americana e estratégia da Opep derrubam cotações e ameaçam políticas de exploração e produção do setor de petróleo (Pág. 14)

------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora

Manchete : Cerca de 20 mil sem acesso ao Fies no RS
Critérios de seleção mais rígidos do MEC limitam novas vagas para o financiamento estudantil nas universidades particulares. Até agora, só 4 mil obtiveram benefício. (Sua Vida | 30)
A rotina de Cunha
Já aconteceu em outros Estados e foi igual na Assembleia gaúcha: o presidente da Câmara veio discutir reforma política, mas foi recebido com protesto e beijo gay. Eduardo Cunha classificou a manifestação como “intolerância”. (Notícias | 8 e 9)
Levy propõe acordo sobre dívidas estaduais
Ministro tenta adiar troca de indexador, que pode ser votada hoje no Senado. (Notícias | 16)
Operação Lava-Jato - Delegado diz que obras em estradas podem ser novo alvo (Notícias | 14)


Frigoríficos do Estado em alerta
Saúde e condições de trabalho nas indústrias estão na mira de fiscais (Campo e Lavoura)
------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico

Manchete : BNDES perde R$ 2 bi com Petrobras, mas lucro cresce 5,4%
A reavaliação de valor dos 17% do capital da Petrobras em seu poder fizeram o Banco estimar em R$ 2,6 bilhões a perda com o escândalo na petroleira. Por uma brecha da legislação, só R$ 1 bilhão foi abatido do lucro de R$ 8,594 bilhões, 5,4% superior ao de 2013 e o terceiro maior da sua história. Ontem, em Nova York, foi aberta ação coletiva contra a estatal. (Pág. 14)
Banzé desfeito
O mal-estar do fim de semana, devido à fala do ministro Joaquim Levy sobre o êxito das boas intenções de Dilma, virou bom humor. Levy se explicou e a presidenta defendeu seu ministro. Resultado: o dólar caiu e a bolsa subiu. (Págs. 5, 18 e 26)
Dilma diz que reformas só saem depois do ajuste
A presidenta Dilma Rousseff avisou que a prioridade do Executivo este ano é votar e aprovar o ajuste fiscal no Congresso. Só depois o Planalto voltará a discutir temas como a simplificação de impostos e obrigações acessórias de patrões e empregados. E avisou: haverá várias reformas. (Pág. 4)
Índice capta alta do dólar, que ainda terá efeito maior
A inflação ficou em 0,98% em março, com o dólar a R$ 3, que afetou alimentos, artigos pessoais e insumos agrícolas e industriais. O impacto mais forte virá em abril. (Pág. 6)
Governo adia a mudança no ministério 
Planalto quer o PMDB se entenda: Cunha deseja Henrique Eduardo Alves no Turismo, que é ocupado por Lages, indicado por Renan (Pág. 3)
Olhar do Planalto
José Negreiros

DILMA ESCALA TIME DA COMUNICAÇÃO

A presidente Dilma Rousseff completou a escalação do novo time da Comunicação do Palácio do Planalto. Aguarda a confirmação de detalhes para anunciá-lo. O jornalista Olímpio Cruz, número 2 de Thomas Traumann, que deixou o cargo, será o novo porta-voz. (Pág. 2)

Relatório D.C.
Rogerio Studart

OS EMERGENTES PERDEM A PACIÊNCIA

Para os Estados Unidos, a criação do Banco Asiático de Investimento e Infra-estrutura (AIIB em inglês) gera um constrangimento: seus tradicionais aliados europeus aderiram ao banco, que é liderado por um dos maiores críticos ao sistema de Bretton Woods, do Banco Mundial e o FMI. (Pág. 9)

O mercado como ele é...
Luiz Sérgio Guimarães

AFINAÇÃO CONTRA O "BANZÉ"

Não prosperou por muito tempo a tentativa de intrigar de novo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, com a presidente Dilma Rousseff. Ontem, logo na abertura, o dólar chegou a subir 1,53%, cotado a R$ 3,2902. Foi jogado para cima pela fofoca de que Levy estaria deliberadamente tentando forjar um ambiente de antagonismo cujo arremate seria a entrega de sua demissão. (Pág. 18)

Ponto Final
Octávio Costa

"HOMEM DO ANO" É UM PERIGO

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, está brincando com fogo. E não se pense que corre risco por causa das declarações polêmicas que costuma fazer e que o obrigam a redigir apressados desmentidos, como aconteceu neste fim de semana. A ameaça vem de uma honraria que ele receberá da entidade Americas Society and Council of the Americas. (Pág. 32)

------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete : Em crise, Petrobras pede alta de 13% em salário de diretores
Proposta da estatal prevê aumento maior em vencimentos fixos e redução ‘preventiva’ de ganho atrelado a resultados

Em meio a escândalo de corrupção, atraso em balanço, queda dos investimentos e alta do endividamento, a Petrobras quer aumentar neste ano em 13% a remuneração paga aos oito executivos que dirigem a empresa. No ano passado, a estatal elevou em 18% os salários — a inflação foi de 6,4%. A proposta está em manual para participação de acionistas na assembleia do dia 29. A estatal propõe pagar mais em salário fixo e menos em remuneração atrelada a resultados. O teto médio é de R$ 1,6 milhão ao ano, alta de 22,7%. A participação nos resultados está 64 % abaixo da de 2014. A Petrobras informou que a proposta deste ano contempla inflação de 8,1 % prevista pelo Banco Central e que reduziu remunerações variáveis “preventivamente”, diante das incertezas do resultado de 2014. (Mercado B1)

Gabrielli e Graça, ex-presidentes da empresa, são citados como réus em ação coletiva em Nova York. (B8)

BNDES registra perda de R$ 2,6 bi com derrocada de estatal petrolífera (Mercado B7)


Presidente afirma que fala de Levy foi mal interpretada
Dilma Rousseff defendeu Joaquim Levy após o ministro da Fazenda ter dito, conforme revelou a Folha, que a presidente tem “um desejo genuíno de acertar as coisas”, mas não da maneira “mais efetiva”. Dilma disse ter “clareza” de que Levy foi “mal interpretado”. (Poder a4)
Empresas pagaram propina no exterior, diz delator à Justiça
Em delação premiada, Rafael Lopez, entregador de Alberto Youssef, mostrou dados que reforçam suspeita de que Odebrecht, Braskem e OAS pagaram propina no exterior por contratos da Petrobras. As três negam. O presidente da Camargo foi solto após sua delação. (Poder a6)
Dilma diminui em 72% gastos federais contra desmatamento
Levantamento do portal Infoamazônia a ser divulgado hoje (31) mostra que, em relação ao segundo governo Lula, a presidente Dilma no seu primeiro mandato reduziu em 72% a verba para prevenção e combate ao desmatamento na Amazônia, relata Marcelo Leite. O valor ficou em R$ 1,8 bilhão. Sistema do instituto Imazon vê devastação em ascensão. O Ministério do Meio Ambiente nega alta da destruição e discorda do critério do Infoamazônia. (Ciência C4)
Líder de protestos diz que almeja o apoio da oposição ao impeachment (Poder A7)


Após ameaças, cubana do Mais Médicos foge para os EUA
Integrante do programa federal Mais Médicos, a cubana Dianelys San Roman Parrado fugiu para Miami no sábado (28) com o marido e o filho de 5 anos. Ela trabalhava em Jandira ( SP). É a primeira deserção decorrente da pressão que Cuba tem feito para que parentes dos médicos voltem à ilha. O supervisor de Dianelys relatou que a via nervosa e chorando. (Cotidiano C3)
Unicamp avança para aplicar cota racial na pós-graduação (Cotidiano C3)


Painel
Fazenda propõe a Renan acordo para dívida dos Estados

O ministro Joaquim Levy propôs ao senador Renan Calheiros (PMDB-AL) que Estados e municípios depositem em juízo parcelas da dívida pelo indexador antigo. A Fazenda prometeu solução definitiva em 2016. (Poder a4)

Editoriais
Leia “Receita de fraude”, acerca de esquema bilionário de sonegação fiscal, e “MEC, um desafio e tanto”, a respeito de novo ministro da Educação. (Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos