Atualidades 14/07/2015

Sometimes, you need to feel less than perfect to remember how good perfectly perfect really is.



O Globo
Manchete: Governo aumenta varredura contra grampos ilegais
Temor de escutas irregulares muda a rotina de autoridades; uso do telefone é evitado

Em meio às disputas na base governista e ao embate com a oposição, o Palácio do Planalto determinou que setores estratégicos dos ministérios passem por varreduras contra escutas ilegais com regularidade, relata Jailton de Freitas. Em ao menos um ministério, a varredura tem sido feita duas vezes por mês desde março. A preocupação aumentou especialmente após a CPI da Petrobras contratar a Kroll, empresa de investigação privada com sede nos EUA, para rastrear e repatriar recursos desviados da estatal. Temendo grampos, autoridades, inclusive na Procuradoria Geral da República e na PF, reduziram drasticamente uso do telefone. (Pág. 3)

Cartão pago no consignado
Planalto diz contar com análise técnica de ‘pedaladas’ (Pág. 5)
MP encontra escolas ‘primitivas’
Novas regras aprovadas no Senado
Grécia cede a ajuste mais duro
Míriam Leitão - Acordo é um alívio, mas as dúvidas continuam. (Pág. 18)
Merval Pereira - TCU vem aprimorando métodos de auditoria e fiscalização sobre “pedaladas”. (Pág. 4)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
Manchete: Plano de resgate de € 86 bi abre crise política na Grécia
Limite do consignado sobe de 30% para 35%
Prós e contras da medida
Governo pede julgamento ‘técnico’ sobre pedaladas
Laudo da PF indica R$ 126 mi para operadoras
Limite a pesquisas eleitorais passa em comissão
Senado aprova novas regras para dívidas de clubes
ANS diz que norma contra cesáreas foi ‘intempestiva'
Assassinatos de jovens dobram após o ECA (Metrópole pág. A14)
MP cria fundos para a reforma do ICMS (Economia pág. B7)
Conrado Hübner Mendes - Abomináveis cunhadas
José Paulo Kupfer - Alguém tem de ceder
Celso Ming - Rendição unilateral
Gilles Lapouge - Corda no pescoço
Notas & Informações - Reformando em causa própria
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
Manchete: Consignado maior para pagar dívida no cartão
MP deve compensar perda com ICMS
Grécia terá de adotar medidas mais duras (Notícias 6 e 7)
Jovens só terão centros em 2017
Três vezes mais mortes em 2015
------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico
Manchete: Governo sobe para 35% limite de renda para consignados
Pão de Açúcar eleva em 6% sua receita
Democratas e o balaio republicano
Nova saga por € 86 bilhões
Rogerio Studart - As reais consequências da intervenção nas ações da China ainda estão por vir. (Pág. 7)
Olhar Do Planalto :: José Negreiros - OUTRA REFORMA DE CUNHA
O mercado como ele é... :: Luiz Sérgio Guimarães - O PROBLEMA AGORA É O FED
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
Manchete: Europa exige mais austeridade para resgatar a Grécia
Governo eleva limite de crédito consignado para 35% da renda
Senado aprova MP do Futebol com punições brandas
Cunha discute impeachment com ministro Gilmar Mendes
Dilma é respeitável, ela não é o Collor, diz ex-vice de Aécio
Defesa da Odebrecht vê prejulgamentos e erros na Lava Jato
Partido Republicano bate recorde de pré-candidatos nos EUA
João Pereira Coutinho - Circo de Tsipras deixou os gregos de joelhos como nunca estiveram (Mercado A14)
Editoriais - Leia “A porta se fecha”, sobre o programa Bolsa Família, e “Gol da modernização”, acerca de aprovação pelo Congresso da chamada MP do Futebol. (Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------

14 de julho de 2015
O Globo

Manchete: Governo aumenta varredura contra grampos ilegais
Temor de escutas irregulares muda a rotina de autoridades; uso do telefone é evitado

Em meio às disputas na base governista e ao embate com a oposição, o Palácio do Planalto determinou que setores estratégicos dos ministérios passem por varreduras contra escutas ilegais com regularidade, relata Jailton de Freitas. Em ao menos um ministério, a varredura tem sido feita duas vezes por mês desde março. A preocupação aumentou especialmente após a CPI da Petrobras contratar a Kroll, empresa de investigação privada com sede nos EUA, para rastrear e repatriar recursos desviados da estatal. Temendo grampos, autoridades, inclusive na Procuradoria Geral da República e na PF, reduziram drasticamente uso do telefone. (Pág. 3)
Cartão pago no consignado
O governo ampliou o limite de comprometimento da renda para empréstimos com desconto em folha de 30% para 35%. Esses 5% adicionais só poderão ser usados para pagar faturas do cartão de crédito. Para analistas, a medida incentiva a substituição de uma dívida com juros altos, no cartão de crédito, por outra, com taxas menores, no consignado. Mas eles alertam para o risco de estimular ainda mais o endividamento das famílias. (Pág. 19)
Planalto diz contar com análise técnica de ‘pedaladas’ (Pág. 5)

MP encontra escolas ‘primitivas’
Ao visitar escolas públicas de todo o país, o Ministério Público identificou situações degradantes, como prédios sem banheiro, salas sem janelas e alunos de 3 a 13 anos na mesma turma. Para a coordenadora do projeto, a situação é "primitiva'' (Pág. 21)
Novas regras aprovadas no Senado
O Senado aprovou a medida provisória que refinancia dívidas dos clubes em até 20 anos. A MP vai à sanção da presidente. (Pág. 25)
Grécia cede a ajuste mais duro
O governo grego recuou diante da exigência dos europeus de mais austeridade para receber um socorro maior, de € 86 bilhões. Agora, terá que obter o aval de seu parlamento até amanhã. (Págs. 17 e 18)
Míriam Leitão
Acordo é um alívio, mas as dúvidas continuam. (Pág. 18)
Merval Pereira
TCU vem aprimorando métodos de auditoria e fiscalização sobre “pedaladas”. (Pág. 4)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Plano de resgate de € 86 bi abre crise política na Grécia
Acordo para manter país na zona do euro deve levar premiê a perder maioria; bancos vão receber € 10 bi

O acordo firmado com a União Européia para evitar a expulsão da Grécia da zona do euro causou um racha na coalizão que sustenta o primeiro-ministro Alexis Tsipras e abriu a perspectiva de nova crise política no país. A turbulência veio à tona 12 horas após o governo radical de esquerda se comprometer em Bruxelas com o terceiro plano de resgate - de até € 86 bilhões e reescalonamento da dívida de € 320 bilhões -em troca de um duro programa de austeridade. O acordo inclui privatização de € 50 bilhões em ativos e ajuste fiscal de € 13 bilhões. Para que os bancos gregos possam ser reabertos nesta semana, € 10 bilhões do Mecanismo Europeu de Estabilidade serão injetados de imediato no sistema financeiro do país. Esse valor pode chegar a € 25 bilhões. Também serão liberados € 12 bilhões para que o país possa pagar ao Fundo Monetário Internacional e ao Banco Central Europeu e deixar a condição de default de pagamento em que está desde 1.° de julho. (Economia págs. B1 a B6)
Limite do consignado sobe de 30% para 35%
Medida provisória publicada ontem ampliou o limite do crédito consignado (com desconto na folha de pagamento) de 30% para 35%, desde que os novos 5% sejam usados para quitar dívidas com cartão de crédito. A informação foi antecipada sábado pelo Estado. Para usar o limite extra não é preciso entrar no rotativo do cartão, basta ter feito alguma despesa. A MP é vista como forma de o governo obter apoio no Congresso para aprovação das medidas ligadas ao ajuste fiscal, como o projeto que reduz a desoneração da folha de pagamento. (Economia pág. B11)
Prós e contras da medida
A troca do financiamento mais caro pelo mais barato é vista por especialistas como algo positivo, mas comprometer renda num cenário de desemprego e inflação em alta eleva risco de inadimplência (Pág. B11)
Governo pede julgamento ‘técnico’ sobre pedaladas
Para evitar reprovação das contas de 2014 no Tribunal de Contas da União e no Congresso, a presidente Dilma Rousseff escalou ontem quatro ministros para dizer que as “pedaladas fiscais” acabaram. Segundo eles, as operações fiscais realizadas no ano passado seguiram entendimento aprovado anteriormente pelo próprio TCU. O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse “confiar” que o julgamento será técnico, “não político”. (Política pág. A4)
Laudo da PF indica R$ 126 mi para operadoras
Laudo da Polícia Federal mostra que, de abril de 2010 ao mês passado, R$ 126 milhões foram parar em contas de empresas “operadoras de lavagem de dinheiro” no esquema de desvios da Petrobrás. Entre elas, a consultoria do ex-ministro José Dirceu. (Política pág. A7)
Limite a pesquisas eleitorais passa em comissão
Comissão do Senado que discute a reforma política aprovou projeto que proíbe veículos de imprensa de contratar institutos de pesquisa que prestam ou prestaram serviços, nos 12 meses anteriores à votação, a partidos, candidatos, governos ou legislativo. (Política pág. A6)
Senado aprova novas regras para dívidas de clubes
O Senado aprovou ontem a Medida Pro¬visória 671, que define regras de refinanciamento de dívidas de clubes. Time que não pagar em dia poderá ser rebaixado. A MP do Futebol, que segue para sanção presidencial, também retira da Cabia o monopólio para comercializar dois novos jogos de loteria. (Pág. A20)
ANS diz que norma contra cesáreas foi ‘intempestiva'
A ANS afirmou em reunião com entidades médicas que as regras adota¬das para inibir o alto número de cesáreas no Brasil foram feitas de forma “intempestiva” e sem a realização de discussões com o setor. Na ata da reunião, obtida pelo Estado, Martha Oliveira, que na época ocupava a presidência da autarquia, justificou que a resolução, editada em janeiro, tinha como ponto de partida uma ação civil pública. (Metrópole pág. A12)
Assassinatos de jovens dobram após o ECA (Metrópole pág. A14)

MP cria fundos para a reforma do ICMS (Economia pág. B7)

Conrado Hübner Mendes
Abomináveis cunhadas
Não estamos diante de violações ordinárias e acidentais dos trâmites da Câmara, mas de quase ruptura da normalidade institucional. (Espaço Aberto pág. A2)
José Paulo Kupfer
Alguém tem de ceder
Para crescente número de analistas de mercado, o Banco Central moderar as altas nos juros seria preferível a insistir na contração generalizada. (Economia pág. B8)
Celso Ming
Rendição unilateral
Não há expressão melhor para qualificar o que a cúpula da área do euro decidiu ontem. A Grécia teve de entregar tudo, inclusive sua soberania fiscal, para receber dinheiro. Ela foi colocada de joelhos. (Pág. B2)
Gilles Lapouge
Corda no pescoço
Tudo o que Atenas repudiou no entusiasmo do plebiscito de 5 de julho foi reenfiado goela abaixo do povo grego. Moral da história: a fanfarronice é perigosa, salvo quando o fanfarrão tem punhos fortes. (Pág. B3)
Notas & Informações
Reformando em causa própria
Os parlamentares deveriam aplicar seu revigorado poder em benefício do País. (Pág. A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora

Manchete: Consignado maior para pagar dívida no cartão
MP amplia de 30% para 35% o limite descontado diretamente no contracheque. Modalidade tem taxa inferior à de outros financiamentos. Acréscimo é destinado às despesas com juro do cartão de crédito.(Notícias 19 e 24)
MP deve compensar perda com ICMS
União cria fundo para repassar dinheiro a Estados queteriam arrecadação menor.
(Notícias 18)
Grécia terá de adotar medidas mais duras (Notícias 6 e 7)

Jovens só terão centros em 2017
Programa prevê seis unidades para atender crianças e adolescentes. (Notícias 14)
Três vezes mais mortes em 2015
Doença já matou 10 pessoas.Vacinação não será ampliada. (Sua Vida 24)
------------------------------------------------------------------------------------
Brasil Econômico

Manchete: Governo sobe para 35% limite de renda para consignados
Medida provisória publicada ontem passou de 30% para 35% o teto da renda do trabalhador ou aposentado que pode ser comprometido com desconto em folha. O percentual de 5% só poderá ser usado para pagamento de compras com o cartão de crédito. Especialistas alertam que o aumento deve ser encarado com cautela pelos tomadores de crédito. (Pág. 18)
Pão de Açúcar eleva em 6% sua receita
Apesar de registrar uma desaceleração em seu ritmo de crescimento, o grupo fechou o segundo semestre com um resultado que agradou ao mercado. As ações preferenciais registraram ontem uma alta de 6,58 %. (Pág. 10 e 11)
Democratas e o balaio republicano
Enquanto a pré-candidata democrata Hillary Clinton se aproxima da classe média, o partido adversário reúne 15 postulantes, entre os quais o polêmico Donald Trump. (Pág. 26 e 27)
Nova saga por € 86 bilhões
O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, volta a Atenas para encaminhar o ajuste exigido pelos líderes da zona do euro para liberar o programa de socorro à Grécia. O país terá que adotar medidas drásticas, que precisam ser aprovadas até quarta. (Pág. 22 e 23)
Rogerio Studart
As reais consequências da intervenção nas ações da China ainda estão por vir. (Pág. 7)
Olhar Do Planalto :: José Negreiros
OUTRA REFORMA DE CUNHA

No segundo semestre, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, quer pôr em votação a reforma tributária usando a mesma fórmula vapt-vupt da reforma política...
O mercado como ele é... :: Luiz Sérgio Guimarães
O PROBLEMA AGORA É O FED

A revisão da meta de superávit fiscal voltará ao topo da lista de aflições do mercado financeiro esta semana. Ainda sem data confirmada, espera-se que a Receita Federal divulgue nos próximos dias a arrecadação referente a junho, fechando os números do primeiro semestre...
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete: Europa exige mais austeridade para resgatar a Grécia
Por pacote de € 86 bilhões, acordo de líderes da zona do euro impõe corte de benefícios, privatizações e aumento de tributos

Líderes da zona do euro chegaram a um acordo para renegociar o empréstimo de até € 86 bilhões à Grécia. Em contrapartida, os credores exigem corte de benefícios, privatizações e alta de tributos, entre outras medidas.

A severidade do acordo, firmado dias após os gregos terem rejeitado mais austeridade, torna a aprovação das medidas pelo Parlamento da Grécia uma incógnita. O prazo final é na quarta (15).

O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, do partido esquerdista Syriza, afirmou que seu governo “lutou até o final para um acordo que permitirá ao país se recuperar”. “Tivemos que fazer concessões difíceis”, disse ele, ao fim da reunião.

A mais importante e polêmica concessão é a perda, por parte dos gregos, da soberania fiscal. Ou seja, o país terá menos controle sobre seu próprio orçamento.

A ala mais à esquerda do Syriza chamou o pacote de “humilhação”. Aliados do partido, os Gregos Independentes também se declararam contra o acordo. O governo dependerá de opositores, que se disseram favoráveis às reformas econômicas.

Esse auxílio deverá ser suficiente para que as medidas não travem no Parlamento, mas colocam em xeque a permanência de Tsipras no comando do país. (Mercado A13)
Governo eleva limite de crédito consignado para 35% da renda
O governo federal aprovou aumento de 30% para 35% da renda do trabalhador, aposentado ou pensionista como limite para a obtenção de crédito a ser pago com desconto direto no salário ou no benefício. Esses 5% adicionais devem ser destinados exclusivamente para despesas com cartão de crédito, que têm taxas de juros mais altas. (Mercado A17)
Senado aprova MP do Futebol com punições brandas
Os senadores aprovaram versão com punições reduzidas para os clubes da medida provisória que refinancia dívidas fiscais com a União. O texto não sofreu mudanças em relação ao votado na Câmara. Os times poderão ter até 5% de deficit a partir de 2019. Foi retirado o prazo de extinção da dívida até 2021. (Esporte B7)
Cunha discute impeachment com ministro Gilmar Mendes
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniu-se com o ministro do Supremo Gilmar Mendes e como deputado Paulinho da Força (SDD-SP) para avaliar, entre outros assuntos, impeachment da presidente Dilma Rousseff. O encontro ocorreu na quinta-feira (9).

Cunha nega ter tratado do tema. Já Mendes confirma a discussão, mas diz que foi lateral. Conforme a Folha apurou, a crise política foi discutida em detalhes. (Poder A4)
Dilma é respeitável, ela não é o Collor, diz ex-vice de Aécio
Vice de Aécio na eleição de 2014, o senador tucano Aloysio Nunes pede cautela com a pregação pela queda de Dilma. “Não vejo base para o impeachment.” Ele teme a tensão de um eventual processo e diz ver pouco em comum entre ela e Collor, afastado em 1992. Para o senador, a primeira tem “respeitabilidade” e o segundo era um “personagem burlesco”. (Opinião A2)
Defesa da Odebrecht vê prejulgamentos e erros na Lava Jato
Advogados de defesa de executivos da Odebrecht afirmam que eles estão sendo prejulgados e que Ministério Público Federal cometeu erros ao delinear as supostas relações da empreiteira com o pagamento de propina no exterior.

Na noite desta segunda (13), a defesa ingressou com manifestações contra o pedido de continuidade das prisões preventivas. (Poder A6)
Partido Republicano bate recorde de pré-candidatos nos EUA
Com o anúncio da pré-candidatura do governador do Wisconsin, Scott Walker, a corrida pela Presidência dos Estados Unidos passa a ter 15 republicanos, o maior número em 161 anos de sigla.

O recorde é atribuído a fatores como a ausência de um candidato capaz de se destacar na liderança das pesquisas e a importância das mídias sociais nas eleições, que dão visibilidade a políticos pouco conhecidos. (Mundo A9)
João Pereira Coutinho
Circo de Tsipras deixou os gregos de joelhos como nunca estiveram (Mercado A14)
Editoriais
Leia “A porta se fecha”, sobre o programa Bolsa Família, e “Gol da modernização”, acerca de aprovação pelo Congresso da chamada MP do Futebol.
(Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016