Atualidades 18/09/2015



O Globo
Manchete : STF proíbe doações de empresas para campanhas
Dilma defende ‘veredito das urnas’
Governo consulta base sobre legalizar jogo
Fazenda quer mudar Previdência
Petrobras vai cortar 5 mil terceirizados
Avaliação expõe ‘drama’ no ensino
Desvio de ingressos tira Valcke da Fifa (Pág. 32)
Merval Pereira - Retomar o tema do financiamento está nas mãos do Senado (Pág. 4)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
Manchete : STF veta doação de empresas para partidos e candidatos
Governo quer legalizar bingo para elevar arrecadação
Lula sugere a Dilma que privilegie aliados na reforma
Wall Street vê situação 'caótica' em crise no Brasil 
Alunos de 8 anos não sabem básico de matemática
Escândalo de ingressos faz Jérome Valcke sair da Fifa
Extintor deixa de ser obrigatório em carros (Metrópole/Pág. A17)
Eliane Cantanhêde
Notas&Informações - Uma triste figura - O lulopetismo não para de chocar o País. Coube agora a Edinho Silva meter os pés pelas mãos (Pág. A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora
Manchete : RS é o pior do Sul em alfabetização
Supremo proíbe doação de empresas (Notícias | 10)
Exintor em carro agora é opcional
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
Manchete : Lula decide ir às ruas para defender pacote de Dilma
Supremo proíbe empresa de doar para candidato e partido político
Ciclovia muda rota e família de secretário é beneficiada 
Série de denúncias leva Fifa a afastar Jérome Valcke de cargo na entidade (Esporte B6)
Vladimir Safatle - Cortar gastos com serviços públicos afetará ainda mais os desfavorecidos 
Editoriais - Leia "Cinismo parlamentar", acerca da chamada pauta-bomba, e "Olho no lance", sobre uso de recursos tecnológicos para auxiliar árbitros de futebol. (Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------

18 de setembro de 2015
O Globo

Manchete : STF proíbe doações de empresas para campanhas
Por 8 votos a 3, decisão já valerá para as próximas eleições

Financiamento de pessoas jurídicas foi considerado inconstitucional pelos ministros do tribunal; Cunha diz que Senado pode mudar decisão se conseguir aprovar PEC já votada pela Câmara

Em meio às investigações da Lava-Jato, que desvenda esquema de corrupção na Petrobras com uso de doações eleitorais para “lavar” propina, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por oito votos a três, proibir contribuições financeiras de empresas a candidatos e partidos por julgá-las inconstitucionais. A decisão, que deve provocar enorme mudança nas campanhas, já valerá para as próximas eleições. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), disse acreditar, porém, que o Congresso ainda pode reverter a proibição caso o Senado aprove proposta de emenda constitucional, já votada pela Câmara, que permite o financiamento de empresas. “Mas as eleições de 2016 ficam num limbo de dúvida”, disse ele. (Págs. 3 e 4)
Dilma defende ‘veredito das urnas’
Pelo terceiro dia seguido, presidente volta a condenar movimentos que chama de tentativas de golpe

A presidente Dilma voltou a discursar ontem contra o que tem chamado de golpismo, numa referência indireta aos movimentos pró-impeachment. Na posse do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ela afirmou: “Queremos um país em que os políticos pleiteiem o poder por meio do voto e aceitem o veredito das urnas.” O presidente do PSDB, Aécio Neves, reagiu à afirmação anterior da petista de que é golpismo usar a crise para chegar ao poder. “Golpe é usar dinheiro do crime ou de irresponsabilidade fiscal para obter votos”, disse o tucano. Pedido de impeachment da presidente foi protocolado na Câmara por Hélio Bicudo, um dos fundadores do PT. (Pág. 6)
Governo consulta base sobre legalizar jogo
O Planalto sondou deputados sobre a viabilidade de se aprovar a legalização do jogo como forma de aumentar a arrecadação. (Pág. 8)
Fazenda quer mudar Previdência
A equipe econômica planeja medidas como a fixação de idade mínima para a aposentadoria e a revisão de benefícios assistenciais. (Pág. 25)
Petrobras vai cortar 5 mil terceirizados
A Petrobras já começou a desligar 5 mil terceirizados, ou 30% dos que atuam na área administrativa. Após perder o grau de investimento, a estatal prepara forte ajuste, com corte em investimentos e venda de mais ativos. (Págs. 23 e 24)
Avaliação expõe ‘drama’ no ensino
Avaliação do MEC mostra que um em cada cinco alunos de 8 anos não entende o que lê. Para ministro da Educação, teste expõe “drama da má alfabetização”. (Pág. 28)
Desvio de ingressos tira Valcke da Fifa (Pág. 32)

Merval Pereira
Retomar o tema do financiamento está nas mãos do Senado (Pág. 4)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete : STF veta doação de empresas para partidos e candidatos
Financiamento privado é considerado inconstitucional; ministros divergem sobre início da validade da decisão

O Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucional, por 8 votos a 3, o financiamento de empresas a partidos e a candidatos em campanhas eleitorais. A decisão foi comemorada no Planalto. A presidente Dilma Rousseff está prestes a vetar ou sancionar texto aprovado pelo Congresso que prevê a possibilidade de doação empresarial em campanhas até R$ 20 milhões. A tendência é de que Dilma vete esse item. No julgamento, porém, os ministros não chegaram a consenso sobre quando a decisão passa a valer. Enquanto Gilmar Mendes defende a tese de que vale para todos os casos - o que inclui eleições passadas -, o presidente da Corte, Ricardo Lewandowski, afirmou que será "daqui para frente". Para o relator da ação, Luiz Fux, uma nova lei que trate do tema "traz em si o gérmen da inconstitucionalidade". O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse que a decisão cria "limbo de dúvidas" para as eleições de 2016. (Política / Pág. A4)

Eloísa Machado de Almeida

Foi um grande julgamento, mas pode ter sido inócuo. A minirreforma aprovada no Congresso mantém o financiamento. A presidente pode vetá-la com boas razões. Caso contrário, o debate terá sido em vão. (Pág. A4)
Governo quer legalizar bingo para elevar arrecadação
O governo estuda a possibilidade de legalizar jogos de azar como bingos, cassinos e jogo do bicho para aumentar a arrecadação e reduzir o déficit do orçamento de 2016. A presidente Dilma Rousseff consultou líderes de partidos da base aliada para saber se a iniciativa seria bem recebida na Câmara. A ideia havia sido sugerida à presidente por senadores em encontro no início da semana. (Política/ Pág. A6)
Lula sugere a Dilma que privilegie aliados na reforma
Na primeira conversa com a presidente Dilma Rousseff após a divulgação do pacote fiscal, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu que ela faça uma ampla reforma ministerial e que aumente o espaço dos aliados no governo. Para Lula, é preciso garantir aqueles que são fiéis e diminuir os cargos dos traidores para sustentar a aprovação do ajuste e barrar iniciativas de impeachment. (Política/ Pág. A5)

Presidente cobra 'estabilidade'

A presidente Dilma Rousseff aproveitou a cerimônia de posse do procurador-geral Rodrigo Janot para cobrar uma atuação favorável à "estabilidade das instituições democráticas" no País. (Pág. A8)
Wall Street vê situação 'caótica' em crise no Brasil 
O Brasil foi destaque em seminário em Wall Street para discutir o impacto de alta dos juros nos EUA nos emergentes. A situação brasileira foi considerada "caótica", com crise política "muito séria". Ontem, o BC dos EUA decidiu manter a taxa de juros. (Economia/ Págs. Bl e B3)
Alunos de 8 anos não sabem básico de matemática
Avaliação de alfabetização constatou que 57% dos alunos de 8 anos não conseguem resolver problemas simples de matemática. E 22% não leem de modo adequado. Para o ministro Renato Janine Ribeiro (Educação), isso "envergonha" o País. (Metrópole/Pág. A13)
Escândalo de ingressos faz Jérome Valcke sair da Fifa
Jérôme Valcke foi afastado do cargo de secretário-geral da Fifa depois que o Estado e outros nove jornais do mundo revelaram, ontem, que o francês fechou acordos para ficar com parte dos lucros da revenda de ingressos para a Copa de 2014, informa o correspondente Jamil Chade. O ágio de mais de 200% nos valores das entradas teria rendido pelo menos € 2 milhões (R$ 8,6 milhões) apenas para o dirigente. (Pág. A18)
Extintor deixa de ser obrigatório em carros (Metrópole/Pág. A17)

Eliane Cantanhêde
Lula lá, Dilma cá - O ex-presidente Lula disfarça, mas está vendo o barco, que também é dele, afundar. Ele fala, mas entra por um ouvido de Dilma e sai por outro. (Política/Pág. A6)
Notas&Informações
Uma triste figura - O lulopetismo não para de chocar o País. Coube agora a Edinho Silva meter os pés pelas mãos (Pág. A3)

Dilma fica sem sócios - Está claro que são escassos no País aqueles que se dispõem a se associar a Dilma(Pág. A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Zero Hora

Manchete : RS é o pior do Sul em alfabetização
Estado tem os índices mais baixos na comparação com Paraná e Santa Catarina em leitura, escrita e matemática na avaliação do MEC sobre alunos do 3º ano do Ensino Fundamental (Sua Vida | 28)
Supremo proíbe doação de empresas (Notícias | 10)

Exintor em carro agora é opcional
Decisão vale a partir de hoje para todos os modelos do equipamento, inclusive o ABC (Sua Vida | 30)
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete : Lula decide ir às ruas para defender pacote de Dilma
Para ex-presidente, novo erro pode causar queda da sucessora

O ex-presidente Lula esteve com sua sucessora, Dilma Rousseff, e se propôs a montar estratégia para evitar a abertura de processo de impeachment contra ela. Apesar de discordar de pontos do pacote fiscal, decidiu ir às ruas para defender a proposta de salvar a economia. Segundo o grupo de Lula, a crise atingiu tal ponto que qualquer novo erro do governo pode fazer a Câmara deflagrar a abertura de processo de deposição de Dilma, que ontem apelou a deputados para que não derrubem seus vetos a projetos que ampliam os gastos públicos. Se os vetos forem derrubados, afirmou a presidente a aliados, o Brasil não aguentará as consequências. O principal temor da petista é em relação ao veto ao projeto que concede aumento a servidores do Judiciário, cujo impacto de gasto extra é de R$ 25,7 bilhões até 2018. Paralelamente, os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Nelson Barbosa (Planejamento) disseram a congressistas não haver plano alternativo para o caso de o novo pacote fiscal ser rejeitado. "O governo tem o plano A" e está "empenhado" em aprová-lo, disse Barbosa. (Poder A4)
Supremo proíbe empresa de doar para candidato e partido político
O STF decidiu, por 8 votos a 3, que o financiamento de empresas para campanhas eleitorais e partidos é inconstitucional. Nas eleições de 2014, mais de 70% da verba obtida por candidatos e legendas veio de empresas. Dilma deve usar a proibição para vetar a lei aprovada pelo Congresso que permite doações a partidos. (Poder A10)

BERNARDO MELLO FRANCO

Interessados buscarão outros meios para obter vantagens e favorecimentos. (Opinião A2)
Ciclovia muda rota e família de secretário é beneficiada 
A Prefeitura de São Paulo ignorou projeto que ela mesma contratou na gestão Kassab (PSD) para ciclovia em Santo Amaro (zona sul). A via, que era reta, foi instalada em outra rua, com quatro curvas e 400 metros a mais. O traçado antigo passava em frente a cinco imóveis de parentes do secretário de Transportes de Haddad (PT), Jilmar Tatto. Ele chefia a CET, responsável pelas ciclovias. A prefeitura diz que o desvio foi necessário e nega um favorecimento. (Cotidiano B1)
Série de denúncias leva Fifa a afastar Jérome Valcke de cargo na entidade (Esporte B6)

Vladimir Safatle
Cortar gastos com serviços públicos afetará ainda mais os desfavorecidos

Esta Folha, em editorial no domingo (13), conclamou o governo a adotar, diante da crise econômica, caminho baseado no corte corajoso de gastos. Pode-se alcançar certo equilíbrio fiscal dessa forma, mas a que preço? Se aceitasse rever seu padrão de gastos com serviços públicos, o Brasil caminharia para a precarização ainda maior das parcelas mais desfavorecidas de sua população. (Ilustrada C12)
Editoriais
Leia "Cinismo parlamentar", acerca da chamada pauta-bomba, e "Olho no lance", sobre uso de recursos tecnológicos para auxiliar árbitros de futebol. (Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016