Atualidades 29 de maio de 2017

O limite é uma fronteira criada só pela mente.




O Globo
Manchete: Crise faz governo traçar plano B para reforma
Investigado, Temer troca ministro da Justiça e nomeia crítico da Lava-Jato
Foto-legenda: MPB pede renúncia
Rio tem 3 milhões de multas
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo
Manchete: Novo ministro questiona inquérito contra Temer
Investigadores apuram elo entre JBS e construtoras
Crack ameaça 558 das 645 cidades de SP
Foto-legenda: Tietê dividida
Remédios terão ‘RG’ para rastreamento (Metrópole/ Pág. A15)
Indústria naval definha e corta 50 mil vagas (Economia / Pág. B1 e B2)
Cida Damasco - Qual será o tamanho da reforma da Previdência? É esperar para ver. (ECONOMIA / PÁG. B4)
Incorporadoras dão luz e gás de graça para vender imóveis
Notas & Informações - Poder e responsabilidade 
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo
Manchete : Temer troca ministros e põe Torquato na Justiça
Fora Temer Fica
Entrevista da 2a. - Torquato Jardim : Não conheço tensão entre o Executivo e o Judiciário
Governo gastou R$ 107 bi em 2016 com subsídios
Justiça derruba autorização para remover viciado à força
Destruição da Mata
Celso Rocha de Barros - Não há menos riscos em adiar eleições diretas
Editoriais - Leia “Juros na crise”, sobre expectativa de redução da taxa Selic, e “Demora simbólica”, acerca de condenação de Paulo Maluf por lavagem de dinheiro. (Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------

29 de maio de 2017
O Globo

Manchete: Crise faz governo traçar plano B para reforma
Valor da aposentadoria e regras de pensão podem mudar via MP

Fazenda planeja estratégia para reduzir gastos caso Congresso não aprove mudança na Previdência

A equipe econômica já trabalha num plano B caso a reforma da Previdência não avance no Congresso por causa da crise política. São mudanças de menor alcance, mas que entrariam em vigor imediatamente, por meio de Medida Provisória (MP), e dariam um alívio nas despesas do governo. Entre as ações, estuda-se elevar o tempo mínimo de contribuição na aposentadoria por idade e diminuir o valor das pensões por morte. Até o cálculo do valor da aposentadoria poderia ser alterado via MP, para reduzir o benefício, informa GERALDA DOCA. Mas não seria possível fixar uma idade mínima para a aposentadoria, um dos principais pontos da reforma. (Pág. 17)
Investigado, Temer troca ministro da Justiça e nomeia crítico da Lava-Jato
Pressionado por aliados e alvo de investigação, o presidente Michel Temer trocou o ministro da Justiça, substituindo Osmar Serraglio por Torquato Jardim, que ocupava a pasta da Transparência. A mudança, criticada por uma associação de delegados, foi vista como uma tentativa de controlar a PF e de influenciar no julgamento no TSE da chapa que integrou com a ex-presidente Dilma. Ex-ministro do tribunal, Torquato tem bom trânsito no Judiciário e já criticou a Lava-Jato. Questionado sobre possível troca na PF, Jardim disse que tudo será estudado. (Pág. 3)
Foto-legenda: MPB pede renúncia
Caetano Veloso, Milton Nascimento e outros nomes da música estiveram em ato na Praia de Copacabana que pediu a renúncia de Michel Temer e a realização de eleições diretas. Segundo os organizadores, partidos de esquerda e movimentos sociais, o evento reuniu 100 mil. A PM não fez estimativa. (Pág. 4)
Rio tem 3 milhões de multas
O Rio teve recorde de multas aplicadas por radares e guardas, no ano passado. Ao todo, foram três milhões de infrações, que geraram receita superior a R$ 242 milhões para a prefeitura, um aumento de 32,7% em relação a 2015. Levantamento do GLOBO mostra que a via mais crítica é a Avenida Brasil, onde um a cada 400 veículos é multado, revela GUILHERME RAMALHO. (Pág. 7)
------------------------------------------------------------------------------------
O Estado de S. Paulo

Manchete: Novo ministro questiona inquérito contra Temer
Torquato Jardim, que assumirá a Justiça, diz ao ‘Estado’ que apuração foi baseada em ‘documento não periciado’

Novo ministro da Justiça e ex-titular da Transparência, Torquato Jardim questiona a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer no STF baseado no que chama de “documento não periciado” – a gravação entre Temer e Joesley Batista, dono da JBS – e defende o reexame da competência de Edson Fachin como relator do caso. “Ele (inquérito) não é Petrobrás, não é Lava Jato, e a prevenção do ministro Fachin é de Petrobrás e Lava Jato, e não para demais inquéritos”, disse em entrevista a Isadora Peron, concedida na sexta-feira. Ele credita à “cultura parlamentar” o fato de Temer ter recebido Joesley sem anotação na agenda oficial. Ex-ministro do TSE, afirma ser “recomendável” pedido de vista na retomada do julgamento na corte contra a chapa Dilma-Temer, que pode cassar o mandato do presidente. Torquato troca de lugar com Osmar Serraglio, que teve o nome envolvido na Operação Carne Fraca. (POLÍTICA / PÁGS. A4 e A6)

COLUNA DO ESTADÃO

Temer deu total autonomia para que, se quiser, Torquato troque o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello. (PÁG. A4)
Investigadores apuram elo entre JBS e construtoras
Investigadores que apuram transações em paraísos fiscais descobriram que offshores citadas nas delações da JBS aparecem em investigações sobre construtoras brasileiras, informam Alexa Salomão e Jamil Chade. As empresas foram utilizadas por pessoas sem relações diretas, sempre para transferir recursos a políticos e operadores. No Brasil, o MPF manteve os R$ 11 bilhões de multa contra a J&F. (POLÍTICA / PÁG. A9)
Crack ameaça 558 das 645 cidades de SP
O crack não para de avançar por São Paulo. Dos 645 municípios do Estado, pelo menos 558, incluindo a capital, enfrentam problemas relacionados à droga, segundo o Observatório do Crack, da Confederação Nacional de Municípios. Em 193 cidades do interior, o nível desses problemas é muito alto, segundo o ranking atualizado em tempo real com informações das prefeituras. Na “lista vermelha” da droga estão Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Bauru e Marília, informa José Maria Tomazela. (METRÓPOLE / PÁG. A12)
Foto-legenda: Tietê dividida
Prédio do antigo comitê de campanha de Michel Temer em Tietê, cidade natal do presidente, no interior de SP. Moradores do município de 40 mil habitantes acompanham de perto a crise política e se dividem entre os “fora, fica e volta” Temer. (POLÍTICA / PÁG. A8)
Remédios terão ‘RG’ para rastreamento (Metrópole/ Pág. A15)

Indústria naval definha e corta 50 mil vagas (Economia / Pág. B1 e B2)

Cida Damasco
Qual será o tamanho da reforma da Previdência? É esperar para ver. (ECONOMIA / PÁG. B4)
Incorporadoras dão luz e gás de graça para vender imóveis
Oferecer luz, condomínio e gás de graça e aceitar joias e carro como parte de pagamento. Essas são algumas das formas que as incorporadoras encontraram para atrair o consumidor e desovar o estoque de imóveis novos, que chegou a 118,7 mil unidades em fevereiro. (ECONOMIA / PÁG. B10)
Notas & Informações 
Poder e responsabilidade

Promotores e procuradores têm suas condutas controladas por seus pares. Trata-se de uma excrescência que precisará ser enfrentada numa necessária revisão da Carta. (PÁG. A3)

O autor da crise

A escassez de lideranças é tão grave que permite que alguém como Lula apareça como viável. (PÁG. A3)
------------------------------------------------------------------------------------
Folha de S. Paulo

Manchete : Temer troca ministros e põe Torquato na Justiça
Por julgamento no TSE, presidente quer melhorar interlocução com tribunais

A nove dias do início do julgamento da cassação de seu mandato pelo Tribunal Superior Eleitoral, o presidente Michel Temer trocou o titular do Ministério da Justiça. Torquato Jardim, que ocupava a Transparência, substituiu Osmar Serraglio. Com a mudança, o peemedebista pretende melhorar sua interlocução com o TSE, do qual Torquato já foi ministro, e com o Supremo Tribunal Federal, responsável por conduzir inquérito contra Temer. O novo ministro tem bom acesso ao tribunal. Serraglio vinha sendo criticado por lentidão nas decisões. Temer optou por nomeá-lo para o Ministério da Transparência. Com isso, seu suplente, o deputado federal afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), mantêm o foro privilegiado. Rocha Loures foi acusado de receber propina em delação premiada da JBS e está sendo investigado no Supremo, no mesmo inquérito do presidente. (Poder A4)

Nos Estados, foro privilegiado é concedido a vereadores, auditores e delegados, entre outros. (Poder A10)
Fora Temer Fica
O áudio da conversa do presidente Michel Temer com o empresário Joesley Batista é razão para sua saída do cargo? De 122 personalidades ouvidas pela Folha, 30 consideraram que sim, 11 que não e 81 se abstiveram de responder. (Poder A8 e A9)
Entrevista da 2a. - Torquato Jardim : Não conheço tensão entre o Executivo e o Judiciário
Novo ministro da Justiça, Torquato Jardim diz, em entrevista a Daniela Lima, que “vai avaliar” mudanças no comando da Polícia Federal. Apesar de críticas recentes a prisões temporárias, afirmou que não será um obstáculo à Operação Lava Jato e defendeu pluralidade na disputa à sucessão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. (Pág. A16)
Governo gastou R$ 107 bi em 2016 com subsídios
No momento em que se esforça para cortar despesas, o governo Temer gastou R$ 107 bilhões com subsídios em 2016, segundo o TCU. Se descontadas as pedaladas pagas em 2015, o gasto subiu cerca de 20%, segundo o órgão. (Mercado A17)
Justiça derruba autorização para remover viciado à força
A Justiça derrubou decisão que autorizava a gestão João Doria (PSDB) a recolher viciados à força para tratamento. A remoção era alternativa para lidar com a dispersão da cracolândia por 23 pontos de São Paulo, provocada por operação do governo Geraldo Alckmin (PSDB) feita antes que a prefeitura preparasse sua estrutura de atendimento aos usuários. (Cotidiano B1)
Destruição da Mata
Derrubada da vegetação atlântica cresceu 57,7%, o maior índice dos últimos dez anos (B4 a B7)
Celso Rocha de Barros
Não há menos riscos em adiar eleições diretas

Muitos ainda brigam por eleições diretas. Fazê-las agora tem riscos. Esperar mais um ano sob um governo eleito pelo Congresso, outros. Não me parece tão claro que estes sejam menores do que aqueles. (Poder A6)
Editoriais
Leia “Juros na crise”, sobre expectativa de redução da taxa Selic, e “Demora simbólica”, acerca de condenação de Paulo Maluf por lavagem de dinheiro. (Opinião A2)
------------------------------------------------------------------------------------
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016