Financiamento de cidades inteligentes - PPP e outras formas


As cidades brasileiras precisam de grandes reinvestimentos e modernização de infraestrutura. Ao abraçar novos modelos de cidades inteligentes, podemos tornar nossas cidades mais seguras, confiáveis, resistentes e globalmente competitivas. Os oficiais financeiros do governo podem desempenhar um papel chave em permitir esta transformação usando a política fiscal, a Parceria Público-Privada e os modelos de receita baseados no desempenho. Ao defender a criação de cidades inteligentes, os oficiais de finanças do governo podem impulsionar o reinvestimento e a modernização urbanos.

A promessa de cidades inteligentes

Há um ímpeto crescente em torno da cidade inteligente como um modelo viável para o rejuvenescimento das economias e sociedades urbanas. As cidades inteligentes alavancam uma infraestrutura alimentada por tecnologias modernas, como a Internet das Coisas, sensores incorporados e serviços baseados na nuvem. Devido a isso, eles são mais resistentes e ambientalmente amigáveis. Talvez o mais importante, as cidades inteligentes podem ajudar os líderes governamentais a reduzir custos e aumentar as receitas enquanto melhor atendem os cidadãos.

São necessárias abordagens criativas

Para tornar realidade a visão de cidades inteligentes, os oficiais de finanças do governo terão que encontrar alternativas criativas aos modelos tradicionais de financiamento de infra-estrutura. Sob sua mordomia, os municípios podem buscar a colaboração entre governos e parcerias inovadoras que proporcionam novas fontes de investimento. As parcerias público-privadas, os acordos de partilha de receitas e os acordos de remuneração por desempenho são exemplos de novas abordagens inovadoras para financiar e financiar cidades inteligentes. Veículos de investimento como esses vão além dos tradicionais instrumentos de dívida para garantir menos risco e mais recompensa para todos os interessados.

Avançando cidades inteligentes: três etapas fundamentais

Funcionários financeiros do governo têm um papel importante a desempenhar no desenvolvimento de cidades inteligentes. Aqui estão três passos que os líderes estaduais e municipais devem considerar à medida que procuram financiar iniciativas de cidades inteligentes:
1. Suporte a incentivos fiscais, PPPs e obrigações de infra-estrutura qualificadas especificamente focadas em requisitos de cidades inteligentes. Essas políticas podem reduzir o custo a curto prazo do investimento na habilitação da tecnologia, ao mesmo tempo em que equilibram os riscos e as recompensas.
2.Incorporar abordagens baseadas no desempenho para a partilha de receitas em modelos de entrega para sistemas de cidades inteligentes. Desta forma, tanto o comprador público de serviços como os investidores do setor privado compartilham os estragos com ganhos de eficiência, renda gerada por publicidade e análise inteligente de cidades com valor agregado.
3.Encorajar colaboração ativa federal, estadual e local. Isto abre a porta para o financiamento potencial para veículos de propósito especial e distritos de inovação.

Adquira um caminho mais inteligente: Novos modelos de parceria para cidades inteligentes

Independentemente da aplicação da tecnologia, um tema transversal no investimento em infra-estrutura urbana inteligente é a reafectação de risco e recompensa entre os sectores público e privado. Líderes federais, estaduais e locais encontrarão cada vez mais modelos de parceria para o investimento inicial e o compartilhamento de receita, incluindo o pagamento por desempenho relacionado a melhorias nos serviços ou acesso a serviços.

Mesmo entidades federais, estaduais e locais com restrições de recursos podem participar do emergente mercado de cidades inteligentes com a supervisão de seus líderes financeiros, contábeis e de infra-estrutura. Como no caso do Desafio de Cidades Inteligentes patrocinado pelo Departamento de Transportes dos Estados Unidos, a cidade vencedora Columbus, Ohio, recebeu uma doação de US $ 40 milhões, juntamente com US $ 10 milhões em apoio da Vulcan Philanthropies. O setor privado também avançou com US $ 100 milhões em investimentos. Coletivamente, esse investimento será usado para transformar como o transporte é usado em Columbus. Uma área de foco é a partilha de viagens que pode conectar melhor as comunidades de baixa renda à cidade, o que pode resultar em benefícios econômicos, inclusão de cidadãos e resultados de saúde potencialmente melhores.

 Ao pensar fora da caixa e parcerias de novas maneiras, até mesmo os governos federal, estadual e local com recursos limitados podem participar de programas de cidades inteligentes. E à medida que mais municípios buscam estratégias de cidades inteligentes, valiosas lições e melhores práticas permitirão o sucesso dos futuros adotantes.

Relatório da Deloitte 2017
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Plural de substantivos compostos

Atualidades - 15 de agosto de 2016